Educar para Crescer
busca

Educar para crescer

LIÇÃO DE CASA

Como ajudar na lição de Português?

Dicas de especialistas para você orientar seu filho nas tarefas, preservando a autonomia


07/05/2013 19:38
Texto Luciana Fleury
Educar
Foto: Claudia Marianno
Foto: Confira dicas de como ajudar seu filho na lição de Português
Confira dicas de como ajudar seu filho na lição de Português

O que fazer quando seu filho precisa produzir um texto como lição de casa e diz não saber por onde começar? E quando ele ‘trava’ numa tarefa e pergunta se "momento" é advérbio de tempo? A recomendação tradicional dos educadores é para que os pais nunca deem respostas prontas e apenas conduzam os filhos para que cheguem às suas próprias conclusões.

lição Lição de casa é participação
Confira mais dicas como estas no especial Lição de Casa.
Na disciplina de português, esta recomendação é ainda mais valiosa, por envolver momentos totalmente autorais e também por trabalhar conceitos essenciais para as demais matérias, como o entendimento de enunciados. Portanto, garantir que seu filho consiga ter autonomia para resolver os exercícios propostos é fundamental. E isso não significa deixá-lo desamparado no momento da tarefa.

"Uma boa ajuda que os pais podem prestar aos filhos é controlar a ansiedade do filho diante do exercício, orientando para que ele leia com calma e atenção", diz Cláudia Oliveira, professora de Língua Portuguesa do colégio Guilherme Dumont Villares de São Paulo-SP. Ela explica que, muitas vezes, a criança não tem paciência para ler o enunciado ou só de olhar "advinha" o que está sendo pedido, ou lê só o começo ou só o fim. "O pai não deve ler para ele, mas ir mostrando a importância de se compreender totalmente o que está sendo solicitado", afirma.

Outra questão importante é aceitar que o erro faz parte do aprendizado e jamais escrever no lugar do filho ou reescrever para garantir o acerto. "A competitividade do mundo moderno leva as pessoas a pensarem apenas nos resultados e não no processo. É preciso estabelecer uma verdadeira parceria de confiança com a escola e assumir seu papel de motivador, mas ao mesmo tempo, respeitando o ritmo do filho", defende Roberta Hernandes Alves, Coordenadora de Língua Portuguesa do Ensino Fundamental 2 e do Ensino Médio da Escola Lourenço Castanho.

Sempre tendo em mente estas duas recomendações gerais, as especialistas apontam como os pais devem agir nos tipos mais comuns de tarefas enviadas para a casa da disciplina de Língua Portuguesa. Confira:

PRODUÇÃO DE TEXTO
Os pais podem estranhar que, ao contrário do que ocorria em seu tempo como estudante, sejam raras as vezes em que seu filho têm de escrever um texto em casa. As duas especialistas comentam que, cada vez mais, as escolas têm preferido trabalhar produção de texto diretamente em sala de aula, por uma série de questões pedagógicas. Mas elas dão dicas de como apoiar a criança em uma lição deste tipo:

Para ler, clique nos itens abaixo:
1. Conferir se a criança sabe o que foi pedido
Na maioria das vezes, o pedido de produção de texto estará relacionado a um gênero literário (crônica, artigo, conto, poema, etc.). Antes de seu filho começar, é bom saber se ele está atento a isso e sabe, de forma clara, o conceito do gênero literário pedido. "Caso contrário, vale fazer, junto com a criança, um resgate no material trabalhado na escola, ver exemplos e explicações dados para que ela chegue à conclusão do que está sendo solicitado", comenta Roberta.
2. Ajudar nas referências
Quando seu filho não souber por onde começar, converse com ele sobre o que ele sabe ou pensa sobre o tema definido e, se for preciso, ajude-o a pesquisar informações e curiosidades sobre o assunto. Logo ele irá encontrar um fio condutor para a história que pretende contar.
3. Valorizar a autoria
"Esta é uma geração que está acostumada a ver o mesmo texto em diversos sites diferentes na internet e não entendem aquilo como plágio. Para eles, pegar trechos de um texto e aproveitá-los, ou mesmo copiar a ideia central, é algo válido e natural", alerta Roberta. Por isso, é papel dos pais valorizar a autoria, mostrando que, naquele momento, o que se quer é uma produção própria, original e única.
4. Demonstrar interesse e não interferir na produção
É válido pedir para ler que a criança produziu, mas demonstrando real interesse na produção e não com o intuito de revisar o que foi escrito. Diante de um texto muito confuso ou sem sentido, o pai deve primeiro elogiar os pontos positivos (como a ideia ou a descrição dos personagens) e depois comentar que sentiu dificuldades em entender alguns trechos e convidar a criança para uma releitura. "Não se deve perguntar para a criança o que ela quis dizer com aquilo, o que a levará a explicar-se verbalmente, fugindo da proposta da produção do texto. E sim, reler com ela e ver se, para ela, aquilo faz sentido ou se ela mesma percebe a falta de clareza", recomenda Cláudia. Caso a criança não perceba nenhuma incoerência, a orientação é para não a obrigar reescrever ou insistir. "É papel do professor trabalhar estes pontos. Às vezes, é um tarefa exploratória inicial da qual se espera realmente isso, saber como a criança faz a condução do enredo. Os pais devem tomar cuidado para não interferir, prejudicando o processo de aprendizagem", defende Roberta.
5. Não apontar erros diretamente
Se no texto criado pelo filho houver erros ortográficos e gramaticais, o ideal é não apontá-los diretamente. Nada pior do que uma história criativa perder seu brilho por comentários como "casa é com ‘s’ e não com ‘z’". Neste caso, novamente o melhor é chamar para uma releitura e deixar a criança encontre (ou não) os erros. As duas professoras são veementes em condenar a prática de fazer a criança reescrever dez ou vinte vezes a palavra grafada errada. Ambas consideram esta prática uma sentença de morte para a criatividade. "Se os pais lidam assim com o erro, o próximo texto será o mais curto e menos origina possível, pois a criança fará de tudo para não correr o risco de errar", diz Cláudia.
EXERCICIOS MECÂNICOS
Outro tipo bastante comum de exercícios de português são aqueles que exigem respostas diretas, como os de ortografia ou análise sintática (no qual se analisa uma frase e indica-se a classe da palavra), etc. "Eles têm uma função clara, que é realmente incorporar uma regra ao conhecimento do aluno", diz Roberta, lembrando que este não deve ser um expediente usado com muita frequência. "Se os pais percebem que há uma repetição exaustiva deste tipo de proposta de exercício, vale uma conversa na escola para entender qual o objetivo, porque isto não cabe na proposta educativa atual". A questão é que, neste tipo de exercício, as perguntas das crianças e adolescentes costumam ser mais diretas, gerando dúvida de como agir, veja a orientação:
Para ler, clique nos itens abaixo:
1. Ajudar no raciocínio
Se seu filho perguntar "bonito é adjetivo ou substantivo", o melhor é não responder diretamente. Mas, sim, ajudá-lo a pensar sobre a dúvida. As educadoras recomendam devolver uma pergunta com outra. Perguntar "o que você acha (e por que)?" ou "o que é adjetivo mesmo?" ou "como esta palavra está funcionando na frase?" ajuda seu filho a raciocinar e encontrar a resposta. Caso ele não saiba responder o que é um adjetivo, por exemplo, vale sugerir que ele consulte o caderno, o livro ou a gramática. "Desta forma, ele vai entender o conceito e aprendê-lo. Caso contrário, terá a mesma dúvida em uma situação semelhante, como na palavra ‘feio’, por exemplo", comenta Roberta. E atenção: se mesmo percorrendo este caminho ele não chegar a uma conclusão ou entender de forma incorreta (como explicar que bonito é um substantivo porque dá nome a uma coisa, por exemplo), o ideal é deixar a explicação para o professor. "O melhor a fazer é deixar que ele responda como concluiu e pedir para que ele conte, depois da correção, o que aconteceu com aquela questão", sugere Roberta.
INTERPRETAÇÃO DE TEXTO
Exercícios de interpretação de texto são aqueles cujas perguntas estão associadas a uma referência determinada, que pode ser um texto, um quadrinho, um poema, etc. Veja como ajudar neste tipo de tarefa:
Para ler, clique nos itens abaixo:
1. Reforçar a necessidade de leitura atenta
"Na maioria das vezes, apenas uma primeira leitura não será suficiente para o completo entendimento do texto", diz Claudia, ressaltando a importância de estimular a criança a ler o texto, com calma e paciência, mais de uma vez. E, antes de começar a responder os exercícios relacionados, o ideal é que a criança pontue o que entendeu e já identifique sobre o que fala o texto, de que lugar o escritor está falando, etc.
2. Ajudar a criança ater-se ao que diz o texto
"É muito comum a criança, em suas respostas, ir além do que está escrito no texto, e não é este o objetivo do exercício", comenta Claudia. Ela explica que a interpretação visa saber reproduzir a ideia passada pelo autor da forma mais fiel possível. "Como interpretantes, não podemos meter a caneta no texto de outro. É um exercício, também, de respeito à autoria, as ideias do outro", diz.
3. Não tentar corrigir ou direcionar a resposta
As correções de exercícios de interpretação de textos costumam ser coletivas, permitindo que o aluno compare e, em alguns casos, debata sua resposta com as dos colegas até que se chegue a um consenso. Por isso, a recomendação das educadoras é para que os pais não corrijam ou deem sua interpretação para a pergunta.
LIVROS PARADIDÁTICOS
As professoras ressaltam que, atualmente, dificilmente a escola simplesmente indicará um livro para ser lido durante determinado período e marcará uma prova sobre ele, como ocorria tempos atrás. Hoje, as escolas têm trabalhado com leituras compartilhadas em sala de aula, nas quais a obra é discutida e contextualizada. E, geralmente, o que se pede é a leitura de determinado capítulo para uma data estipulada. Veja como motivar seu filho esta leitura:
Para ler, clique nos itens abaixo:
1. Não criticar diante do filho as indicações de leitura propostas pela escola
Qualquer discordância diante da obra recomendada para leitura deve ser conversada diretamente com o professor. "Se o pai discorda, acha a literatura muito adulta ou difícil demais para seu filho, por exemplo, ele deve questionar isso com o professor, jamais passar este tipo de conceito para a criança", diz Cláudia. "Dizer que o livro é chato, muito grande, tem letra pequena ou é muito difícil é um incentivo para que o filho não leia".
2. Ler trechos com seu filho
Aproveitar a leitura indicada para criar momentos de leitura com seu filho é uma ótima pedida segundo as entrevistadas. "Ler um trecho para o filho ou pedir que ele leia é uma forma de valorizar a leitura e também identificar e ajudar nas dificuldades", diz Roberta. Sempre, claro, num clima descontraído e não como uma obrigação a ser cumprida.
3. Demonstrar interesse
Perguntar o que seu filho está achando do livro e compartilhar impressões é uma maneira de fazer com que a leitura faça parte dos assuntos conversados em casa, o que é motivador e salutar.

 

amigos do educar

 


lição de casa

Crianças que fazem a lição de casa diariamente aprendem mais, têm notas melhores e se tornam mais seguras. Faça a sua parte!



depoimentos

Marina Silva, Martha Medeiros, Nelson Motta e outras personalidades brasileiras revelam o impacto de uma boa Educação no futuro



recomendamos

EDUCAÇÃO INFANTIL
Como contribuir com essa importante fase de formação da criança

ENSINO FUNDAMENTAL 1
Como acompanhar os primeiros passos da vida escolar de seu filho

ENSINO MÉDIO
Dicas para pais e alunos enfrentarem esta fase de novos desafios

mais lidos

ALFABETIZAÇÃO
11 dicas para ajudar na alfabetização de seu filho

TECNOLOGIA
52 sites que ensinam e divertem a criançada