Educar para Crescer
busca

Educar para crescer

LIÇÃO DE CASA

Como ajudar na pesquisa escolar

Dicas de como orientar seu filho a produzir um trabalho de pesquisa de qualidade


17/02/2015 19:31
Texto Luciana Fleury
Educar
Foto: Claudia Marianno
Foto: Pesquisas escolares devem ser mais do que cópia de resultados de buscas na internet
Pesquisas escolares devem ser mais do que cópia de resultados de buscas na internet

A cena é comum. Ao ser perguntando pelos pais sobre as lições do dia, o filho comenta que tem de fazer uma pesquisa escolar. Depois de assistir aos seus programas favoritos na televisão, ele se senta ao computador, digita o assunto solicitado pelo professor no Google, acessa o primeiro link entre os resultados de busca, procura uma ilustração, imprime, faz um desenho caprichado na capa e pronto. Em apenas alguns minutos, ele cumpriu a tarefa. Ou melhor, pensa que cumpriu. Na verdade, neste caso, o objetivo do professor não foi atingido. 

1808Lição de casa é participação
Confira mais dicas como estas no especial Lição de Casa.

 

"Uma pesquisa escolar bem elaborada desenvolve inúmeras habilidades, que vão desde aprender a selecionar uma informação por sua qualidade e relevância, passando pela leitura e interpretação de texto e chegando ao mais importante, que é saber se posicionar diante dos fatos e dados, reagindo a eles, tomando decisões e concordando ou não com as diversas opiniões sobre o tema", defende Patricia Smith Cavalcante, professora dos cursos de graduação e pós-graduação do Centro de Educação da UFPE (Universidade Federal de Pernambuco). Por isso, é importante que os pais, que são os atores mais próximos do aluno neste momento, incentivem um maior empenho na realização do trabalho escolar mesmo nas séries iniciais do Ensino Fundamental e com ainda mais ênfase no Ensino Fundamental 2. 

"Não ter claro os conceitos que norteiam uma boa pesquisa faz com que se perca todo o rico processo de aprendizado que ela proporciona. E o que temos visto são alunos de Ensino Médio e mesmo de graduação e até de pós-graduação com uma real dificuldade em produzir pesquisa, porque este conhecimento ficou faltando lá no começo da formação escolar", comenta Eliane Lourdes da Silva Moro, professora do Curso de Biblioteconomia da URGS (Universidade Estadual do Rio Grande do Sul).

As duas especialistas em Educação indicam três etapas - e o que deve ser feito em cada uma delas - para a elaboração de uma boa pesquisa escolar e como os pais podem ajudar neste processo:

Etapa 1) Organização
Antes de seu filho sair digitando a principal palavra do trabalho solicitado no Google, ajude-o, primeiro, a organizar como a pesquisa será feita, seguindo estes dois passos: 

Para ler, clique nos itens abaixo:
Entender o que está sendo pedido
O primeiro passo é verificar para qual disciplina é o trabalho e se seu filho sabe, de forma clara, o que é para ser feito. Isto porque uma pesquisa sobre "brinquedos e brincadeiras antigos", por exemplo, pode ter inúmeros enfoques (origem das brincadeiras, exemplos de brinquedos antigos, história dos brinquedos, comparação com os atuais, etc.). Muitas vezes, esta orientação é passada pelo professor, mas se houver dúvidas, o ideal é conferir, vendo os livros e cadernos e perguntando para seu filho, o que tem sido abordado em sala de aula para ver como o trabalho irá complementar o tema.
Organizar o que será procurado
Fazer uma lista inicial do que o trabalho pode conter torna mais eficaz e produtiva a busca. Ajude seu filho a listar quais questionamentos podem ser feitos sobre o assunto em questão e o que ele gostaria de descobrir a respeito deste tema.

Etapa 2) Coleta de dados
Este é o momento de recolher as informações. Nesta hora, vale o "copiar e colar", pois trata-se de selecionar o material que servirá para compor o trabalho. Só é preciso não esquecer de anotar a referência de onde os trechos e as informações foram retirados, pois isso será necessário depois. "Outra questão importante é sempre pesquisar em mais de uma fonte, para poder obter informações mais abrangentes sobre o mesmo assunto e até mesmo opiniões divergentes, para que o aluno perceba os diversos olhares possíveis da questão", afirma Patricia Smith Cavalcante, professora dos cursos de graduação e pós-graduação do Centro de UFPE (Universidade Federal de Pernambuco). Para uma coleta de dados de qualidade é importante:

Para ler, clique nos itens abaixo:
Localizar fontes confiáveis
Seu filho precisa entender que nem tudo que está na Internet é confiável e sério. Explique para ele que, inclusive, existem sites que simulam serem veículos jornalísticos e que publicam textos sobre assuntos atuais como se fossem notícias verdadeiras, mas o objetivo é humorístico, portanto o fato divulgado é absurdo e nunca ocorreu. Por isso, o ideal é buscar informações em sites de institutos, grupos de pesquisa, universidades, revistas, jornais, blogs de pesquisadores ou profissionais especializados no tema, e, claro, nas versões digitalizadas de enciclopedias e livros.
Ir além do que já está "pronto"
Estimule seu filho a ampliar sua forma de pesquisar. Por exemplo, se ele encontrou um blog de um profissional especializado no tema pesquisado, ele pode enviar uma pergunta ao autor para aprofundar algum item. Neste caso é muito importante que o mediador da conversa seja um adulto, mas a pergunta deve vir da criança. E, lógico, não se trata de "pedir" para o autor fazer a pesquisa, mas sim, aproveitar o conhecimento dele para ampliar o que já foi descoberto.
Produzir dados
Sempre que for viável, incentive seu filho a ele próprio produzir informações para a pesquisa. "Às vezes, é possível incluir dados retirados da realidade do próprio aluno ou de seu entorno", diz Patricia. No exemplo da pesquisa sobre "brinquedos e brincadeiras antigos", vale uma entrevista com o avô para saber como era brincar na infância dele. E em um trabalho sobre lixo, seu filho pode fotografar um local do bairro que viva sujo porque as pessoas jogam lixo no chão, por exemplo.

Etapa 3) Produção
Após a seleção das informações, chegou a hora de redigir o trabalho. Nesta etapa, seu filho já deve ter tido contato suficiente com o assunto para poder apresentá-lo em uma sequencia lógica. Agora é necessário:
Para ler, clique nos itens abaixo:
Estruturar o trabalho
Uma pesquisa bem organizada tem: Capa, Sumário, Introdução, Desenvolvimento, Conclusão e Referências. Sugira para que seu filho deixe conclusão, capa, sumário e referências por último. Pergunte a ele como ele pensa em começar o trabalho, ou seja, como ele irá apresentar o tema (esta é a Introdução) e quais dados, de todos que ele encontrou, ele irá realmente usar e em que ordem (este é o Desenvolvimento). Só depois destas duas partes feitas é que ele deve partir para a Conclusão.
Preservar a autoria
Na hora de escrever, é preciso deixar de lado o "copiar e colar". Seu filho deverá escolher uma ordem lógica para elencar as informações e produzir as frases que as apresentem para o leitor.
Fazer citações
Se seu filho realmente gostou de uma ideia ou mesmo de uma frase de determinado autor, não há problema algum em incluí-la no trabalho. Basta, para isso, ele fazer uma "citação". Na citação direta, ele copia exatamente a frase, coloca-a entre aspas e indica o nome do autor. Na citação indireta, ele pode fazer uma menção ao que o autor pensa ou defende (por exemplo: "segundo o historiador José Pedro dos Santos, os brinquedos são muito importantes na infância").
Redigir a Conclusão
"A conclusão não é um resumo do trabalho. É o espaço para o aluno dizer, com suas próprias palavras, o que ele aprendeu com aquele trabalho e porque aquele conteúdo é importante para ele", ressalta Eliane Lourdes da Silva Moro, doutora em Educação e professora do Curso de Biblioteconomia da URGS (Universidade Estadual do Rio Grande do Sul). Uma boa forma de ajudar o filho neste momento, é perguntar diretamente para ele o que ele descobriu fazendo a pesquisa, do que ele mais gostou, como ele acha que irá aplicar este conhecimento em seu dia a dia, e até mesmo que tipo de ideias sobre o tema ele tinha antes de fazer a pesquisa e se estas ideias se confirmaram ou não. Por exemplo, ainda no caso da pesquisa de "brinquedos e brincadeiras antigas", seu filho podia achar que as crianças antigamente não se divertiam tanto porque não havia computador, mas mudou de ideia ao ver diferentes brinquedos e várias outras formas de brincar. É este tipo de "descoberta pessoal" que deve constar na Conclusão.
Incluir as Referências
Finalmente, seu filho terá de listar os locais de onde retirou as informações contidas no trabalho. Veja o que deve conter, idealmente, cada uma das referências:

- Livros - autor, título, local de edição, editora e o ano.
- Jornal - título da reportagem, autor (nome do jornalista, se houver esta identificação), nome do jornal, a data da publicação, número da página.
- Vídeo - título, quem participa e indicar que se trata de um vídeo
- Internet - título do texto, nome do autor (se houver), link e data de acesso
Fazer o Sumário
O Sumário traz, de forma ordenada, o que contém o trabalho e em quais páginas se encontra cada conteúdo. Por exemplo: Introdução - página 3. "Sumário é diferente de Índice. O Índice é a listagem dos assuntos abordados no trabalho, em ordem alfabética", diferencia a Eliane.
Preparar a Capa
A Capa pode conter ou não uma ilustração, mas é ideal que traga: nome da escola, o titulo do trabalho, nome do aluno, nome do professor, ano e turma

 

amigos do educar

 


lição de casa

Crianças que fazem a lição de casa diariamente aprendem mais, têm notas melhores e se tornam mais seguras. Faça a sua parte!



depoimentos

Marina Silva, Martha Medeiros, Nelson Motta e outras personalidades brasileiras revelam o impacto de uma boa Educação no futuro



recomendamos

EDUCAÇÃO INFANTIL
Como contribuir com essa importante fase de formação da criança

ENSINO FUNDAMENTAL 1
Como acompanhar os primeiros passos da vida escolar de seu filho

ENSINO MÉDIO
Dicas para pais e alunos enfrentarem esta fase de novos desafios

mais lidos

ALFABETIZAÇÃO
11 dicas para ajudar na alfabetização de seu filho

TECNOLOGIA
52 sites que ensinam e divertem a criançada