Educar para Crescer
busca

Educar para crescer

HORTA

Por que é importante plantar?

Descubra boas ideias que brotam dos canteiros de algumas escolas


29/05/2014 16:45
Texto Manoela Meyer
Educar
Foto: Nana Sievers
Foto: Além de biologia, a horta ensina sobre linguagem, matemática, estudos sociais e higiene
Além de biologia, a horta ensina sobre linguagem, matemática, estudos sociais e higiene. Clique na foto para ver mais imagens das crianças plantando nas escolas.
Clique aqui para ver mais fotos

Em novembro de 2011, um legume virou a principal atração para os alunos do Pré-1 de um colégio particular de São Paulo. Do outro lado da cidade, crianças de várias idades esperavam ansiosas pelo momento de plantar mudas de hortelã, alecrim e outras ervas no terreno de uma escola pública. Apesar de envolver contextos bem diferentes, ambas as atividades tinham como objetivo despertar o interesse das crianças por plantas cultivadas pelos homens. Para isso, nada melhor do que contar com um canteiro bem variado!

Primeira Infância Tudo sobre Primeira Infância
Veja outras reportagens sobre os primeiros anos de vida e baixe de graça a revistinha com todas as dicas

"O que eu mais gostei de tudo isso foi ver aquela sementinha virar um nabo", disse o pequeno Luciano de quatro anos, à professora Ayni Shih Liu, responsável pela atividade na horta do Colégio AB Sabin. A ideia começou com a leitura em classe do conto russo O Nabo Gigante (Alexis Tolstoi, Livros Horizonte). Além de biologia, as crianças tiveram contato com assuntos de linguagem, matemática, estudos sociais e higiene. Esperaram pacientemente durante 50 dias até que os nabos estivessem prontos para ser colhidos e usados no preparo de pequenos pastéis na cozinha experimental da escola. "Planejamos tudo de forma interdisciplinar, mas um dos pontos cruciais era que os alunos associassem o que se planta ao que se come", contou Ayni.

A história foi um pouco diferente no Centro Educacional Unificado (CEU) Jardim Paulistano. Meses antes, alguns professores e pais haviam feito uma horta no local. "Mas tudo que foi plantado, morreu. Não conseguimos cuidar das plantas de forma adequada", conta Tania Quintal, coordenadora pedagógica do CEU. O solo era infértil e não havia quem pudesse fazer a manutenção periódica. Uma solução criativa foi sugerida pela ecóloga Carolina Araújo, do Instituto CRIS: o plantio de um Jardim Sensorial. "As plantas escolhidas para o jardim são mais resistentes do que as de horta. Não exigem muito adubo e são fáceis de manter", conta Carolina. O objetivo do espaço foi despertar os sentidos das crianças. Arruda, alecrim, lavanda e manjericão, por exemplo, estimulam o olfato. Há flores variadas para a visão e plantas com texturas diferentes, como o boldo e a espada de São Jorge, para despertar o tato.

Conversamos com a professora Ayni Shih Liu e a ecóloga Carolina Araújo para entender um pouco mais a importância de cultivar plantas na escola.

Para ler, clique nos itens abaixo:
Fala de Biologia
É importante as crianças entenderem todo o processo necessário para o plantio e desenvolvimento da planta. Elementos como sol, rega, tempo, solo e adubo devem ter destaque. É nesse momento também que elas entendem a importância das partes de uma planta, como raiz, folha e caule.

Além disso, os pequenos devem ter informações mínimas sobre as características de cada espécie plantada. Qual seu nome, seu aspecto físico (cor, cheiro, textura), sua importância na alimentação e as propriedades nutricionais.

As crianças terão contato com a questão do desenvolvimento individual. Às vezes uma delas se sente injustiçada por sua plantinha não ter crescido tanto quanto a do colega. Mas ela precisa entender que cada planta é diferente da outra.
Permite contato com outros profissionais, além dos professores
Muitas vezes os professores envolvidos nas atividades não têm grande conhecimento sobre hortas. Assim, precisam contar com a ajuda de outros profissionais.

Um exemplo é quando o jardineiro ou a pessoa que cuida de áreas verdes da escola ou de uma praça próxima servem como fontes de informações valiosas. Outra ideia é incluir agricultores ou vendedores de plantas nas atividades.

A escola pode organizar também visitas a plantações, em sítios e fazendas localizadas no interior.
Desenvolve atividades interdisciplinares
Matemática, linguagem, arte. São muitas as áreas do conhecimento que podem ser trabalhadas junto com plantas.

No Colégio AB Sabin, após a colheita dos nabos, as crianças puderam preparar pastéis recheados do legume. "Essa foi a última atividade trabalhada, com o objetivo de discutir higiene. Mas fizemos muita coisa antes", disse a professora Ayni Shih Liu. Um exemplo foi a linha do tempo montada para acompanhar o desenvolvimento das plantas, que trabalhou conceitos matemáticos.

Já no CEU Jardim Paulistano, as professoras planejam unir o cultivo do jardim a atividades artísticas. As folhas, galhos, flores e outras partes das plantas vão virar matéria-prima de diversos trabalhos de arte.
É lúdico e desperta os sentidos
Em um mundo cada vez mais urbanizado, atividades ao ar livre e que estimulem o contato com a natureza são preciosos. Para as crianças, o plantio e o cuidado com as plantas não só educa como diverte.

As plantas podem despertar outros sentidos além do paladar. Cada espécie tem uma aparência, uma textura, um cheiro distinto. É interessante que as crianças sejam estimuladas a perceber essas diferenças.

No Jardim Sensorial do CEU Jardim Paulistano, há um canteiro que estimula o olfato, com plantas que exalam cheiro de suas folhas, como citronela, alecrim, lavanda, manjericão, arruda e hortelã; outro canteiro é voltado para a visão, com flores de rosinha-de-sol, maria-sem-vergonha, gardênia, camarão-amarelo e margarida. Há um último com plantas de texturas diferentes para o tato: planta-jade, boldo, boldo miúdo, dedo-de-moça e espada de são Jorge. "Além desses canteiros, também foram feitos outros com todas as espécies distribuídas aleatoriamente para que as crianças percebam que uma mesma espécie pode estimular diferentes sentidos", conta Carolina Araújo, do Instituto CRIS.
Permite acompanhar o desenvolvimento de um ser vivo
Acompanhar o desenvolvimento de uma planta é importante para esse momento da infância. Mas a atividade precisa ser bem planejada, para que outros assuntos sejam tratados adequadamente.

O ideal é que o plantio comece da semente até a planta se tornar adulta. É importante lembrar que não vale escolher espécies que demorem demais para crescer, ou as crianças podem perder o interesse na atividade.

Os educadores também não podem deixar de discutir os erros e imprevistos que possam acontecer ao longo do projeto. Isso também é aprendizado. As sementes de nabo plantadas pelas crianças do Colégio AB Sabin, por exemplo, foram colocadas perto demais na terra, e as plantas não se desenvolveram. O jardineiro precisou replantar tudo, e as crianças acompanharam.

É importante que as crianças participem do plantio. Assim elas despertam o interesse pela natureza e se sentem responsáveis por cuidar do canteiro. "E um dia, quem sabe, cuidar do planeta", completa a ecóloga Carolina Araújo.

Por último, que tal fazer uma horta em casa também, para seu filho acompanhar o desenvolvimento ainda mais de perto? Mesmo para quem não tem quintal, é possível manter determinadas espécies em vasos pequenos e aproveitá-las na cozinha.

 

amigos do educar

 


lição de casa

Crianças que fazem a lição de casa diariamente aprendem mais, têm notas melhores e se tornam mais seguras. Faça a sua parte!



depoimentos

Marina Silva, Martha Medeiros, Nelson Motta e outras personalidades brasileiras revelam o impacto de uma boa Educação no futuro



recomendamos

EDUCAÇÃO INFANTIL
Como contribuir com essa importante fase de formação da criança

ENSINO FUNDAMENTAL 1
Como acompanhar os primeiros passos da vida escolar de seu filho

ENSINO MÉDIO
Dicas para pais e alunos enfrentarem esta fase de novos desafios

mais lidos

ALFABETIZAÇÃO
11 dicas para ajudar na alfabetização de seu filho

TECNOLOGIA
52 sites que ensinam e divertem a criançada