Educar para Crescer
busca

Educar para crescer

AVALIAÇÃO

O caminho para a vitória

Como estudantes de 4 a 15 anos - e seus pais - enfrentam o desafio de ingressar nas escolas mais concorridas do Rio


08/12/2009 11:09
Texto Lívia de Almeida
Veja Rio
Foto: Fernando Lemos
Foto: Colégio São Bento
O Colégio São Bento foi uma das melhores escolas do Rio de Janeiro em 2008, segundo as notas do Enem
----- PAGINA 01 -----

Eles têm 4, 6, 10 anos de idade e estão envolvidos numa competição bem mais tensa que o pique-pega no playground ou uma disputa de videogame. Só neste ano, milhares de estudantes mirins e adolescentes participam dos testes de seleção para ingressar em escolas de prestígio da cidade - um período de provas iniciado em outubro, que atinge o grau de ebulição em novembro. Não é exagero dizer que nenhum outro lugar do Brasil vive a situação de forma tão intensa quanto o Rio de Janeiro. Apesar de as instituições renegarem o termo "vestibulinho", os números são impressionantes. No Colégio de Aplicação da Uerj, 71 candidatos vão se enfrentar no dia 07 de novembro por uma vaga no 6º ano do ensino fundamental. Trata-se de uma disputa mais encarniçada que a do último vestibular de medicina da UFRJ, com 27 candidatos para cada aprovado. Como em toda competição, há vencidos e vencedores - o lado cruel da história. Existe uma possibilidade matemática, concreta, de que seu filho, sobrinho, neto ou afilhado fique de fora. Se isso acontecer, claro, não será o fim do mundo. Não faltam bons colégios nos quais as vagas estão disponíveis para qualquer interessado. Mas, se a ideia é conseguir a matrícula em um estabelecimento específico, seja por causa das boas avaliações no Exame Nacional de Ensino Médio (Enem), seja pela gratuidade da mensalidade - ou as duas coisas juntas -, existem alguns cuidados e preparação para essa jornada.

O primeiro, e o mais importante de todos, é separar algum tempo para acompanhar de perto a criança durante todo o processo. Atravessar um funil tão estreito exige sacrifício não só do estudante como de toda a família. Sem a participação, a mobilização e o apoio dos pais, dificilmente o candidato obtém sucesso. História lapidar é a da funcionária pública Cláudia Barbosa de Moura, que decidiu preparar seu filho Breno Calderoni, hoje com 12 anos, para o Santo Agostinho. Determinada, Cláudia se envolveu totalmente no desafio no ano passado. Pesquisou, comparou currículos e compareceu às provas. Não delegou nada a ninguém. Graças a seu empenho, ela descobriu, por exemplo, diferenças gritantes entre o programa da escola em que o menino cursava o 5º ano e o do colégio almejado. Naquele momento, decidiu lançar mão de um recurso que se provou importante: inscreveu Breno num curso preparatório, com quatro horas de português e matemática, três vezes por semana. No dia do exame, Cláudia ainda se recorda do frio na barriga ao ver tamanha aglomeração de concorrentes. Para ela, a história teve final feliz. Seu filho foi um dos quinze aprovados entre os quase noventa candidatos.

Como a escola desejada costuma mesmo ser mais puxada - do contrário, a troca ficaria sem sentido -, largam em vantagem os candidatos que fazem uma preparação à parte. Pode parecer chocante, mas é uma realidade. A procura pelo aprimoramento fez florescer uma indústria de cursos e aulas particulares. Desde 2001, a educadora Cláudia Horta apronta meninos e meninas para os testes. Especialista em alunos de 5 a 7 anos, ela cobra 80 reais por sessão e já treinou cerca de 120 candidatos. "Os menores nem deveriam passar por isso, mas a disputa é mesmo complicada", reconhece. Em grande parte, o treinamento consiste em aguçar a percepção visual e desenvolver a coordenação motora dos pequenos. Por meio de atividades rotineiras, como jogar bola, Cláudia procura transmitir alguns conceitos exigidos nas avaliações. A partir do 1º ano, começa o reforço de conteúdo, que varia muito dependendo da prova. No 2º ano, na maioria dos estabelecimentos, é necessário conhecer os números até 99. No Santo Agostinho, deve-se saber lidar com a contagem até 999. "Um menino que se apronta para o 2º ano do Santo Agostinho poderia perfeitamente passar para o 3º de qualquer outro lugar", afirma a professora. Não é fácil. Muitas vezes, viagens de fim de semana ou férias precisam ser postergadas em nome de um objetivo maior. Foi o caso da funcionária pública aposentada Sulamy Andrade, mãe de Eduardo, 11 anos, e Sofia, 12, candidatos a ingressar no São Bento e no Santo Inácio. Para ajudar a filha, ela desembolsou 550 reais mensais em aulas de matemática e redação. "Vai valer a pena", diz.

Exigências para a matrícula em escolas renomadas, de ordem financeira ou em relação à capacidade intelectual da criança, sempre existiram. Mas todos os especialistas concordam que a disputa começou a se acirrar mesmo na última década. O fator determinante foi o advento do Enem, em 1998. Historicamente, alguns dos melhores colégios do país se encontram na cidade. Não havia, porém, um ranking de comparação. A percepção de que uns são, de fato, melhores que os outros estimulou, por exemplo, a procura na chamada "santíssima trindade": gigantes como São Bento, Santo Agostinho e Santo Inácio, normalmente bem avaliados no exame. Com a divulgação dos resultados, os pais começaram a buscar nessas escolas a melhor educação possível para seus filhos. "Precisava preparar meus filhos para a realidade", diz Sueli Voltarelli, mãe de Maria Vittoria, 12 anos, e Leonardo, 11, ambos calouros do Santo Agostinho. "A realidade é que eles daqui a alguns anos terão de prestar vestibular." Para ingressar no 1º ano do ensino fundamental do Santo Inácio, nesta temporada foram onze postulantes por vaga. No total, 1 200 inscrições. Leonardo Rezende Folleto, 5 anos, passou na peneira. "Só na hora eu me dei conta de quanta gente queria a mesma coisa", conta a mãe do garoto, Marta Rezende. "Disse a ele que estava lá para brincar, e não para ser testado."

Dado o grau de dificuldade de alguns vestibulinhos, recomenda-se uma preparação antecipada, ainda no princípio do ano, correndo em paralelo com as atividades escolares convencionais. Há estabelecimentos de ensino que crescem porque oferecem as duas coisas. Com uma unidade em Vila Isabel e uma no Méier, o Colégio Martins tornou-se porta de entrada para os resistentes bastiões do ensino público: o Colégio de Aplicação da Uerj e o da UFRJ, ambos gratuitos. No Martins, a vida não é fácil. Os alunos se submetem regularmente a simulados e estudam horas a fio. Apesar de massacrante, o sistema parece funcionar. Em 2008, seus representantes ficaram com quase a metade das trinta vagas do CAp-Uerj. No exame marcado para o dia 07 de novembro de 2009, eles estarão entre os 2 137 candidatos. Passar em um funil tão concorrido demanda nota superior a 84,75 (em 100 pontos possíveis) e conhecimentos como a interpretação da prosa de Guimarães Rosa. "É um concurso que não admite erros", enfatiza André Pereira, coordenador das turmas do Curso Radical, em Botafogo.

Não existem facilidades em processos de admissão tão duros - mas há, sim, algumas janelas. Em geral, os três momentos mais propícios para o ingresso de novos alunos são o 1º ano (antigo CA), o 6º do ensino fundamental e o 1º do ensino médio, equivalente ao começo do antigo 2º grau. Quase todas as escolas oferecem mais vagas a estudantes nessas fases. Fora essas séries específicas, a oferta costuma ser escassa. Com tão poucas oportunidades, a decisão de competir nos testes do gênero deve ser tomada sem perder de vista as características da criança. Não é qualquer uma que está pronta para suportar tantas atribuições e uma jornada tão exaustiva. "Se ela já tem dificuldades para dar conta dos deveres convencionais, não é realista submetê-la subitamente a um elevado padrão de exigência", analisa a psicóloga Suely Duèk, especialista em atendimento infanto-juvenil. Há também a ansiedade natural dos pais, e é fundamental mantê-la sob controle. "Os pais não querem passar nervosismo, mas ninguém é perfeito", admite Gisele Pimentel de Souza, consultora de comércio exterior e mãe de Sílvia Arpon de Seixas, 12 anos, que ingressou no ano passado no Santo Inácio. Mas, sejam aprovadas ou não, o fundamental é dar colo, independentemente do resultado. Afinal, são apenas meninos e meninas.

Para ler, clique nos itens abaixo:
As lições de quem passou
- A decisão de mudar de escola deve ser amadurecida com antecedência, para permitir que a criança ou o adolescente tenham tempo de se preparar para o processo. E, fundamental, tem de contar com o endosso deles.

- É indicado examinar o programa e estudar pela bibliografia fornecida. As escolas costumam apresentar variações nos conteúdos, e é possível que determinadas matérias não tenham sido dadas na escola de origem.

- Participar de um concorrido processo de seleção é uma decisão que envolve a família inteira. Pode ser necessário reforçar os estudos com aulas particulares, o que acarreta outras despesas, e em alguns casos ter de abrir mão de viagens de fim de semana ou férias.

- É importante não transmitir nervosismo para o jovem postulante. Cobranças excessivas podem ser improdutivas.

- Cursinhos e professores particulares ajudam o candidato não só a melhorar o conhecimento como a se habituar ao ritmo das provas.

- Lembre-se: apesar de se tratar de concursos mais disputados até que o vestibular, seu filho continua sendo uma criança com necessidade de tempo para brincar ou participar de atividades com os amigos.
Turmas de vencedores
Como é o concorrido processo de seleção nos dez colégios cariocas mais bem colocados no ranking do Enem
Colégio 1 - São Bento
Processo de seleção: Para o 1º e 2º anos do ensino fundamental são realizadas duas tardes de convivência na escola. Do 3º ao 9º ano há provas de português e matemática. Na 1ª série do ensino médio, acrescentam-se ciências, história e geografia

Funil: 4 candidatos por vaga no 1º ano do ensino médio

Mensalidades (1º ano do EF): 1 810 reais
Colégio 2 - Santo Inácio
Processo de seleção: Para o jardim 3 e o 1º ano do ensino fundamental são feitas atividades supervisionadas. Daí ao 1º ano do ensino médio, há provas de matemática e português

Funil: 11 candidatos por vaga no 1º ano do ensino fundamental

Mensalidades (1º ano do EF): 1 034 reais
Colégio 3 - Santo Agostinho Leblon
Processo de seleção: Para o 1º ano do ensino fundamental, atividades supervisionadas. Para as demais séries há provas de português e matemática

Funil: 6 candidatos por vaga no 6º ano do ensino fundamental

Mensalidades (1º ano do EF): 910 reais
Colégio 4 - Colégio de Aplicação da UFRJ
Processo de seleção: Sorteio até o final do ensino fundamental. A partir daí, provas eliminatórias de português e matemática, seguidas por sorteio

Funil: 38 candidatos por vaga no 1º ano do ensino fundamental

Mensalidades (1º ano do EF): Gratuita
Colégio 5 - Colégio de Aplicação da Uerj
Processo de seleção: Para o 1º ano do ensino fundamental, sorteio. No 6º ano, provas de português, matemática e redação

Funil: 71 candidatos por vaga no 6º ano do ensino fundamental

Mensalidades (1º ano do EF): Gratuita
Colégio 6 - Santo Agostinho Novo Leblon
Processo de seleção: Para o 1º ano do ensino fundamental, atividades supervisionadas. Para as demais séries há provas de português e matemática

Funil: 3 candidatos por vaga no 1º ano do ensino fundamental (até o início da semana passada)

Mensalidades (1º ano do EF): 910 reais
Colégio 7 - Colégio pH
Processo de seleção: Para o 1º ano do ensino fundamental, entrevistas com os pais e atividades supervisionadas. Para as demais séries, testes de matemática e português

Funil: A escola abre novas turmas, dependendo da procura

Mensalidades (1º ano do EF): 1 570 reais
Colégio 8 - Cruzeiro
Processo de seleção: Sorteio do maternal 2 ao 2º ano do ensino fundamental. A partir daí, provas de português e matemática. Não aceita alunos novos no ensino médio

Funil: 4 candidatos por vaga no 1º ano do ensino fundamental

Mensalidades (1º ano do EF): 1 082 reais
Colégio 9 - Andrews
Processo de seleção: Entrevistas com os pais e dinâmicas de grupo (para todas as séries) e, a partir do 2º ano do ensino fundamental, acrescentam-se provas de português e matemática

Funil: O número de vagas costuma atender à demanda

Mensalidades (1º ano do EF): 998 reais
Colégio 10 - São Vicente de Paulo
Processo de seleção: Até o 2º ano do ensino fundamental, entrevistas com os pais e sessões de convivência. A partir daí, também provas de matemática e português

Funil: 4 candidatos por vaga no 1º ano do ensino médio

Mensalidades (1º ano do EF): 940 reais

 

amigos do educar

 


lição de casa

Crianças que fazem a lição de casa diariamente aprendem mais, têm notas melhores e se tornam mais seguras. Faça a sua parte!



depoimentos

Marina Silva, Martha Medeiros, Nelson Motta e outras personalidades brasileiras revelam o impacto de uma boa Educação no futuro



recomendamos

EDUCAÇÃO INFANTIL
Como contribuir com essa importante fase de formação da criança

ENSINO FUNDAMENTAL 1
Como acompanhar os primeiros passos da vida escolar de seu filho

ENSINO MÉDIO
Dicas para pais e alunos enfrentarem esta fase de novos desafios

mais lidos

ALFABETIZAÇÃO
11 dicas para ajudar na alfabetização de seu filho

TECNOLOGIA
52 sites que ensinam e divertem a criançada