Educar para Crescer
busca

Educar para crescer

Boletim da Educação

Educadoras italianas vêm ao Brasil compartilhar experiências de cidadania ativa

por: Equipe do Educar para Crescer

Por Nana Soares

O Encontro discutiu os ganhos para as crianças estimuladas desde cedo para a cidadania (Crédito: Cláudia Marianno)

No dia 20 de agosto, educadoras italianas juntaram-se a pesquisadores brasileiros no Encontro Internacional do Ciclo Educação para o Futuro, realizado na PUC-SP. Na ocasião, debateram a importância e eficácia de projetos de cidadania ativa nas escolas, baseando-se em  exemplos utilizados nas escolas italianas.

Milva Valentini e Patrizia Bracarda atuam em diferentes escolas de ensino infantil na Itália, onde a cidadania ativa é tratada como uma diretriz do Ministério da Educação. Nas escolas, elas trabalham valores como amizade, solidariedade, liberdade e diversidade com as crianças de todas as séries, em todas as matérias. “A ideia é educar para o respeito pelos Direitos Humanos”, disse Patrizia. “A escola quer incentivar as crianças a serem capazes de resolver situações problemáticas”,  complementou a educadora.

Do lado brasileiro, a pesquisadora Oriana Monarca White, parceira do trabalho realizado pelas italianas, enfatizou a necessidade de deixar as crianças falarem e de que é possível ensinar desde cedo o que é ser um cidadão. O professor Ladislau Dowbor também reforçou a importância de projetos de cidadania ativa, pois para ele “não é o materialismo que vai fazer a criança ser um sucesso, e sim os valores como a amorosidade, a solidariedade e a amizade”. “É preciso pensar a criança não como um projeto, mas como um ser humano querendo viver”, finalizou.

22 de agosto de 2014

Tags: , , ,

Comente aqui
 

Portal de notícias especializado em primeira infância é lançado

por: Equipe do Educar para Crescer

Radar da Primeira Infância busca selecionar conteúdo confiável sobre o tema

Os interessados em temas da primeira infância podem encontrar informação de qualidade

Os interessados em temas da primeira infância podem encontrar informação de qualidade (Imagem: Marcella Briotto)

 Por Nana Soares

Os interessados no tema da primeira infância (0-6 anos) contam com mais uma ferramenta para extrair informação de qualidade: o Radar da Primeira Infância (www.radarprimeirainfancia.com.br). Idealizado pela Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal (FMCSV) e pelo Instituto Alfa e Beto (IAB), o portal visa fazer uma curadoria do conteúdo disponível na internet sobre o tema, selecionando o que é confiável para o usuário.

Segundo Eduardo Queiroz, diretor presidente da Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal, a ideia do portal veio da falta de confiabilidade dos conteúdos encontrados na internet. “Quando um cidadão comum quer saber de algo, ele usa o serviço de busca e lê os principais resultados, mas aquele material não necessariamente passou pela curadoria de um especialista. Nosso diferencial é que todo o conteúdo que está no site já foi analisado por uma equipe de profissionais”, explica.

A maior parte do conteúdo do Radar vem da seleção do material publicado em outros veículos, como universidades, centros de pesquisa e entidades, mas também há a produção de conteúdo próprio. Inicialmente, a ideia do projeto é conversar mais com os profissionais que trabalhem com o tema da primeira infância, mas todo o público pode acessar o portal e encontrar a informação desejada.

Entre os temas que podem ser encontrados no portal, estão “prematuridade”, “educação”,  e “amamentação”, entre outros. Além disso, o leitor poderá fazer pesquisa específica, filtragem por assunto ou selecionar todos os artigos de uma mesma fonte. Segundo Eduardo Queiroz, o número de visitas e o alcance do projeto já superam as expectativas. Na primeira semana, foram 10 mil visitantes únicos, vindos de todo o Brasil.

 

 

Educação de qualidade para todos: ainda estamos longe

por: Manoela Meyer

Ontem estivemos na apresentação do relatório de monitoramento das cinco metas do movimento Todos Pela Educação. Infelizmente, as notícias não são muito boas. Em resumo, elas apontam o enorme desafio que o Brasil tem para tornar a Educação Básica do país acessível para todos, com um alto nível de qualidade.

Há quatro anos, o Todos Pela Educação monitora a situação educacional com base em cinco metas:

  1. Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola
  2. Toda criança plenamente alfabetizada até os 8 anos
  3. Todo aluno com aprendizado adequado à sua série
  4. Todos jovem com Ensino Médio concluído até os 19 anos
  5. Investimento em Educação ampliado e bem gerido

Até agora, nenhuma das metas foi cumprida. Os resultados – publicados em “De Olho nas Metas 2011” – continuam indicando uma enorme desigualdade entre as regiões do país, e entre escolas privadas e públicas. Você acredita que ainda há 3,8 milhões de crianças e jovens fora da escola? Esse número é maior do que toda a população do Uruguai, por exemplo. Para resolver, não basta aumentar o número de vagas… é necessário discutir também assuntos como os motivos do atraso e da evasão escolar.

Para avaliar as crianças de 4º ano do Ensino Fundamental em matemática, leitura e escrita, foi aplicada a Prova ABC (Avaliação Brasileira do Final do Ciclo de Alfabetização) em todas as capitais brasileiras. O que se identificou? Que apenas 56,1% dos alunos atingiram o conhecimento esperado em leitura, 53,3% em escrita e 42,8% em matemática. Quando se comparam os resultados de cada região do país, o assunto é ainda mais alarmante. O Sudeste, por exemplo, teve o melhor desempenho em escrita, com 65,5% dos alunos com aprendizado adequado para a série. Já no Nordeste, apenas 30,3% dos alunos redigiram textos conforme o esperado. Uma diferença de 35 pontos percentuais separam as duas regiões.

Ainda mais dramática é a comparação entre escolas particulares e públicas. 93,6% dos alunos de escolas particulares do sudeste atingiram o nível esperado de escrita, contra 21,7% das escolas públicas do nordeste.  A explicação dada pelo Todos para esses números discrepantes é a de que os alunos da rede privada têm melhores condições sociais e econômicas, além de terem cursado a Pré-Escola. Muitos estudos apontam a importância da Educação Infantil na aprendizagem nas séries futuras. Apesar disso, em 2009 apenas 50% das crianças brasileiras de 4 a 5 anos estavam matriculadas na Pré-Escola.

Para Nilma Fontanive e Ruben Klein, consultores da Fundação Cesgranrio, os resultados de leitura apresentaram progressos, ao contrário dos de matemática. “Os educadores parecem estar esquecendo da importância da alfabetização numérica”, disse Nilma. Para Ruben, o mais importante é que os alunos tenham prazer em aprender.

 

O desafio da Defasagem Escolar

Sabe o que mais os resultados apontaram? Que alunos com defasagem idade-série – ou seja, os que repetiram algum ano ou estão adiantados, que hoje chegam a quase 25% de todos os estudantes – atingiram resultados bem piores nas três áreas do conhecimento avaliadas, quando comparados aos alunos na idade correta. Ou seja, isso indica o quanto é importante que seu filho esteja na série certa.

Segundo o professor Tufi Machado Soares, da Universidade Federal de Juiz de Fora, o maior entrave ao avanço educacional da população é o atraso escolar. “Quanto mais defasado o aluno, menor sua chance de concluir os estudos. Diferente do que vem acontecendo hoje, os alunos devem ser acompanhados constantemente desde a Pré-Escola”, conclui.

“Os dados e as análises apontam que as mudanças estruturais precisam acontecer com urgência para que as metas possam ser atingidas até 2022”, disse Priscila Cruz, diretora-executiva do movimento.

A melhoria da Educação passa, necessariamente, pelo investimento adequado e pela boa gestão dos recursos nos três níveis de governo: União, estados e municípios. No entanto, o relatório aponta que o investimento brasileiro por aluno do Ensino Fundamental ao Superior ocupa as últimas posições quando comparado ao de outros 35 países. O Brasil só tem investimento maior que o da China.

 

 

Acompanhe a fila por vagas em creches pela internet

por: Bruna Nicolilelo


Pais que aguardam por vagas em creches e pré-escolas para os filhos, na cidade de São Paulo, podem agora acompanhar a posição de seus pedidos pela internet. As regras para o cadastramento por vagas foram alteradas e, a partir de agora, o critério de seleção é a ordem de chegada (antes as crianças mais velhas tinham preferência).

Ao fazer o cadastro, você receberá um número de protocolo. Para conferir seu lugar na fila de espera é só acessar o site da Secretaria Municipal de Educação de São Paulo (www.portalsme.prefeitura.sp.gov.br), clicar em “Educação Infantil” (na coluna esquerda da página) e selecionar a opção “Cadastro de Demanda”. Além da consulta individual é possível ver a lista por escolas e imprimir a ficha de cadastramento.

Os pais que se cadastraram antes do dia 1º de agosto deverão solicitar o protocolo na escola onde fizeram o pedido. A secretaria garante que a posição na fila de quem fez o cadastro antigo não será alterada ao fazer o novo.

Leia também: O direito à Educação infantil, Creches para todos! Conheça a importância da Educação na primeira infância e saiba o que fazer para garantir seu direito.

O que não pode faltar na creche, brincadeiras, movimento e arte são fundamentais para o desenvolvimento das crianças

É tudo novidade, sobre o processo de adaptação dos pequenos no primeiro ambiente escolar

24 de setembro de 2009

Tags: , ,

516 comentários
 

roda blog