Educar para Crescer
busca

Educar para crescer

INTERNET

Rede com proteção

Criança pode ter perfil no Facebook? E se ela cair num site pornô? Internet e redes sociais não param de propor novos desafios a pais e educadores


26/07/2011 08:06
Texto Vera Gudin
Claudia
Foto: É preciso muito cuidado ao deixar a criança navegar pela internet
É preciso muito cuidado ao deixar a criança navegar pela internet

Todos os dias chegam à Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI) do Rio de Janeiro casos de crianças vítimas de crimes na internet. Um deles chocou particularmente os investigadores: o de uma menina de apenas 12 anos que, ao navegar na rede, conheceu uma "amiguinha", identificada como "Patricinha12", com quem passou a compartilhar segredos e complexos. Após exibir pela webcam os seios, que considerava pequenos demais, para a suposta companheira virtual - na verdade um pedófilo -, passou a ser chantageada. Na tentativa de se livrar das ameaças, como o envio das imagens captadas para sua rede de amigos, a garota se submeteu a todo tipo de ordem do criminoso, como a de introduzir objetos nos órgãos sexuais. O caso, ainda em fase de apuração, ilustra os riscos a que estão expostas crianças que usam a rede virtual sem orientação ou supervisão dos pais. "O fato de o filho estar em casa não quer dizer que ele está protegido", lembra a advogada Patricia Peck, idealizadora do Movimento Criança Mais Segura na internet.

Tecnologia Tudo sobre Tecnologia
Como aproveitar a tecnologia na Educação? Dicas e orientações para tirar o melhor da internet - com segurança


As crianças brasileiras são as que mais ficam online, passando em média 18,3 horas conectadas por semana, segundo dados da empresa Norton, que no ano passado fez uma pesquisa com cerca de 7 mil adultos e 2,8 mil crianças e adolescentes, entre 8 e 17 anos, em 14 países. O estudo resultante, o Norton Online Family Report, detectou que 60% dos internautas mirins tiveram experiências negativas, mas somente 45% dos pais perceberam. E deixou claro que é necessário ter interesse em saber o que os filhos andam fazendo no ciberespaço. Mesmo pais analfabites, que não dominam a tecnologia, podem rastrear numa conversa uma ameaça virtual. Dora não contou a ninguém o que estava acontecendo por medo de ser punida. O caso foi descoberto pela pediatra, com quem se abriu. "A criança tem que ter confiança nos pais para pedir ajuda", destaca a psicóloga Maria Inês Bittencourt, professora do Departamento de Psicologia da PUC-Rio.
Fale com eles

Muitos pais ensinam os filhos a não conversar com desconhecidos nem revelar nome e endereço. E quando se trata de internet? É básico instruir a criança a não encontrar um amigo que conheceu na rede sozinha nem abrir a câmera para estranhos. Ela não deve clicar em tudo que vê, já que pode baixar vírus, acessar conteúdo inadequado e cair em golpes virtuais. O ideal é que até os 10 anos navegue com um adulto por perto. Criado em 2009, o Movimento Criança Mais Segura (criançamaissegura.com.br) orienta sobre o uso prudente e ético da internet. Ainda reúne esforços para que o assunto entre de vez no currículo escolar. A Intel também acaba de lançar um programa de responsabilidade social via Facebook. Entre em facebook.com/intelbrazil.


Como alertar sobre as más experiências online? "Tem que explicar num papo aberto que existe de tudo na internet, inclusive coisas perversas e feias", ensina Maria Inês, a favor de que os pais limitem o tempo de uso do computador, que não deve ser instalado no quarto da criança. Ela é taxativa: os pequenos não devem entrar em sites de relacionamento. "Isso os expõe a situações que não têm condições de entender. Colocar fotos, então, nem pensar! Só a partir da adolescência", afirma. Mesmo depois dos 12 anos, faça questão de conhecer os amigos virtuais do seu filho.

O melhor filtro é você 

Pais que desejam conferir as páginas visitadas pelos filhos podem se valer de procedimentos simples, como clicar no histórico do navegador. Segundo Patricia, outro jeito rápido de saber o paradeiro das informações da criança na internet é fazer buscas periódicas colocando o nome dela e ver em que páginas aparece. No Google é possível achar textos e imagens. 

O mercado oferece ferramentas capazes de filtrar conteúdos impróprios, monitorar os pequenos em sites de relacionamento e realizar buscas. Os filtros mais modernos possibilitam que o login seja feito de qualquer máquina para o rastreamento das atividades em tempo real. É o caso do Norton Online Family, disponível em onlinefamily.norton.com. Basta se cadastrar, criar uma conta familiar, baixar e instalar um aplicativo, o Norton SafetyMinder, no computador que a criança usa. Não é preciso pagar nada. A Microsoft ensina aqui  passo a passo como ativar a opção "Controle dos Pais", que pode limitar o tempo de uso do computador, bloquear jogos inadequados e programas. Tudo gratuitamente. Muitos provedores também oferecem essa opção. No caso do UOL, paga-se uma taxa mensal. Dá para bloquear sites, palavras-chave e conteúdos impróprios. Você visualiza tudo o que foi feito online e define os horários de acesso à internet. O antivírus AVG 2011 vasculha sem cobrar nada links compartilhados dentro das redes sociais Facebook e MySpace, protegendo contra os nocivos. O AVG Link Scanner indica se as páginas encontradas por meio de uma busca são seguras. Para baixar, acesse o endereço aqui e faça o download. 

Para a psicóloga Maria Inês, os filtros são importantes e devem ser instalados com o conhecimento das crianças. "A mãe precisa explicar que nem tudo é adequado. Seu filho pode até ficar chateado, mas acabará entendendo", diz. A mesma recomendação vale em relação aos adolescentes. E se descobrir que o garoto passou a noite toda em sites pornográficos? "Deve conversar com ele", aconselha Helen Sardenberg, delegada titular da DRCI-Rio, lembrando que os melhores filtros são a vigilância e o diálogo.

Por mais que você vigie e explique, é impossível ficar 24 horas ligada nos passos virtuais de seu filho. Veja a melhor conduta em situações fora do seu controle

Para ler, clique nos itens abaixo:
Minha filha de 9 anos não tem perfil no Facebook, mas uma amiga tem e colocou uma foto dela lá
"Peça ao pai da amiga que exclua a foto. Ou solicite a retirada da imagem ao provedor, que tem prazo de cinco dias para fazer isso", ensina a advogada Patricia Peck.
Um conhecido do meu filho mandou um e-mail para ele com fotos constrangedoras. Como procedo?Um conhecido do meu filho mandou um e-mail para ele com fotos constrangedoras. Como procedo?
"Oriente-o a não repassá-las. Se conhecer o responsável pela criança, ligue para ele. É melhor que adultos gerenciem essa situação", avisa a delegada Helen Sardenberg.
Um amigo virtual da minha filha adolescente quer encontrá-la pessoalmente. O que faço?
"Fale sobre os riscos. Diga: ‘Se quer conhecê-lo, pegue o número de telefone dele que ligamos juntas’. Vá com ela ao encontro, num lugar público", sugere Helen.
Descobri que os colegas de classe do meu filho postam comentários maldosos sobre ele no Twitter
"Contate, inicialmente, o agressor. Caso não mude de comportamento, acione os pais dele. Envolva a escola para que participe do processo. Se nenhuma providência for tomada, imprima a tela em questão e faça o boletim de ocorrência na delegacia", orienta Patricia.
Ao clicar num site de esportes, minha filha abriu um site pornô e ficou chocada
"Mostre que há conteúdos bons e ruins. A internet nos obriga a falar sobre tudo com a criança", diz Helen.

 

amigos do educar

 


lição de casa

Crianças que fazem a lição de casa diariamente aprendem mais, têm notas melhores e se tornam mais seguras. Faça a sua parte!



depoimentos

Marina Silva, Martha Medeiros, Nelson Motta e outras personalidades brasileiras revelam o impacto de uma boa Educação no futuro



recomendamos

EDUCAÇÃO INFANTIL
Como contribuir com essa importante fase de formação da criança

ENSINO FUNDAMENTAL 1
Como acompanhar os primeiros passos da vida escolar de seu filho

ENSINO MÉDIO
Dicas para pais e alunos enfrentarem esta fase de novos desafios

mais lidos

ALFABETIZAÇÃO
11 dicas para ajudar na alfabetização de seu filho

TECNOLOGIA
52 sites que ensinam e divertem a criançada