Educar para Crescer
busca

Educar para crescer

ENSINO PÚBLICO

Marilena Chauí: "Foi ainda na escola que percebi o papel formador decisivo da Filosofia"

A filósofa e professora relata a importância crucial do ensino público em sua vida


29/04/2014 10:48
Educar
Foto: Divulgação
Foto:
"Minha geração teve uma formação excepcional, em escola pública, laica, republicana"

Perguntar qual a importância da educação para mim é como perguntar qual o significado da minha própria vida. Ela é constitutiva da minha própria existência. Venho de uma família de jornalistas e professores, então a presença da formação educacional vem desde meu primeiro mês de vida!

Mas gostaria de realçar algumas questões que me marcaram em particular: em primeiro lugar, a qualidade da escola e dos professores que eu tive ao longo da vida. Foram excepcionais. Minha geração teve uma formação excepcional, em escola pública, laica, republicana. Tive o privilégio de estudar em escolas públicas que tinham professores muito bem formados, reconhecidos e bem remunerados. Havia infra-estrutura para o ensino e até para uma pequena pesquisa.

Um segundo aspecto é que não consigo imaginar minha trajetória intelectual sem a contribuição do ensino que tive especificamente na área de Humanidades. Na época, todos os alunos tinham contato com o que havia de mais consistente na cultura ocidental. Só de línguas estrangeiras, por exemplo, aprendi Inglês, Francês, Espanhol, Latim e Grego. E além das disciplinas convencionais - como Português, História, Geografia e Literatura - havia a Filosofia.

Tive um professor de Filosofia incrível: [João] Eduardo [Rodrigues] Villalobos. Foram suas aulas que me levaram a optar por essa área de estudo. Minha intenção inicial era me tornar professora do Colegial. Isso porque, já na época, percebi o papel formador decisivo que a Filosofia tinha na escola, para todos os estudantes. De criar espírito crítico, questionador, independente da opção profissional futura.

Meu professor me fascinou ao mostrar que o pensamento é capaz de pensar a si próprio, e a linguagem é capaz de falar ela própria. Essa reflexão foi minha descoberta filosófica fundamental. Pensar é alcançar algo até então desconhecido, tendo a certeza de que não há saber pronto e acabado. Considero uma vitória o retorno da Filosofia ao Ensino Médio.

Por último, acho importante dizer que na minha época, tínhamos um profundo desprezo pela escola privada. Era considerada de baixa qualidade, apenas uma rede comercial. Existia para os alunos ricos, preguiçosos, mal informados. Sua função era oferecer diplomas para quem não queria estudar. Quando um colega ia para a escola privada, dizíamos: "Ih! Ele vai para o clube!".

Passei apenas três anos fora do sistema público de ensino, em um colégio religioso. Mas isso me marcou profundamente porque lá tive contato com um excesso de hierarquia e com uma clara desigualdade econômica e social entre as alunas. Muito diferente do que vivi na escola pública, aonde as diferenciações vinham da personalidade, do modo de se relacionar com os estudos, das amizades.

Cabe, entretanto, ressaltar que não havia na época uma política educacional que visasse a sociedade brasileira como um todo. A educação existia somente em determinados lugares. Portanto, o que descrevo aqui é uma experiência dentro da cidade de São Paulo. Quando não havia a marca da atual capital paulistana: a diferença entre centro e periferia. No meu tempo, os bairros mais afastados eram tão equipados educacionalmente quanto os mais centrais. As escolas supriam a demanda de toda a cidade.

Vivemos tempos de uma violenta desigualdade social e econômica, de polarização entre a carência absoluta - que caracteriza a periferia - e o privilégio absoluto - no caso, o centro. E isso começou a partir da Ditadura Militar, que criou uma cidade-arquipélago.

Também na Ditadura é criada a ideia de que escola pública é subversiva. A crise começou com a destruição das escolas vocacionais e, posteriormente, do resto das escolas públicas. Tudo isso com o apoio dos empresários da educação. Houve uma inversão de papéis, com a subordinação da educação ao dinheiro. Uma tragédia.

Marilena Chaui é professora-titular do Departamento de filosofia na USP, tendo se especializado em História da Filosofia Moderna e em Filosofia Política. Nascida em São Paulo, é filha do jornalista Nicolau Chauí e da professora Laura de Souza Chauí. Foi Secretária Municipal de Cultura de São Paulo, de 1989 a 1992. Além de extensa produção acadêmica, Marilena obteve êxito com livros voltados para a popularização da Filosofia. É uma das palestrantes do Ciclo Mutações: Elogio à Preguiça, que acontece até o dia 27 de outubro em São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília e Belo Horizonte.

 

 


 

amigos do educar

 


lição de casa

Crianças que fazem a lição de casa diariamente aprendem mais, têm notas melhores e se tornam mais seguras. Faça a sua parte!



depoimentos

Marina Silva, Martha Medeiros, Nelson Motta e outras personalidades brasileiras revelam o impacto de uma boa Educação no futuro



recomendamos

EDUCAÇÃO INFANTIL
Como contribuir com essa importante fase de formação da criança

ENSINO FUNDAMENTAL 1
Como acompanhar os primeiros passos da vida escolar de seu filho

ENSINO MÉDIO
Dicas para pais e alunos enfrentarem esta fase de novos desafios

mais lidos

ALFABETIZAÇÃO
11 dicas para ajudar na alfabetização de seu filho

TECNOLOGIA
52 sites que ensinam e divertem a criançada