Educar para Crescer
busca

Educar para crescer

CLÁSSICOS

Alice e as maravilhas de seu legado

Com a chegada de uma nova versão cinematográfica, a Alice-mania vira fenômeno pop mundial e incentiva a ler o original


Educar

05/04/2010 13:51

Texto
Cynthia Costa

Foto: Claudia Marianno
Alice no país das maravilhas

Para estudiosos de literatura, Alice é considerada uma personagem-referência, pois simboliza a infância e a curiosidade

Alice no País das Maravilhas é daqueles livros que resistem a infinitas leituras sem nunca perder a graça, pois sempre têm algo a mais a dizer, um novo detalhe a apresentar, uma palavra a ensinar. A história da linda menina de vestido rodado que vive aventuras num lugar estranho com gente esquisita é uma das mais lidas, traduzidas, adaptadas, encenadas e filmadas. Parece uma fórmula simples, mas não é: há quase 150 anos, a obra-prima escrita pelo inglês Lewis Carroll cativa leitores e intriga estudiosos em busca de respostas para os seus enigmas. Não é à toa que o cinema já a tenha apresentado diversas vezes.

A mais recente empreitada cinematográfica é assinada pelo norte-americano Tim Burton, que dirigiu também "Batman", "Edward Mãos-de-Tesoura" e "Noiva Cadáver", entre muitos outros filmes encantadores e... um pouco estranhos. Produzida pela Disney, a nova versão de "Alice no País das Maravilhas" chega aos cinemas brasileiros em 21 de abril. Nos Estados Unidos e na Inglaterra, onde já estreou, ficou em primeiro lugar nas bilheterias por várias semanas consecutivas.

A febre atual gerada pelo filme foi além da trilha sonora: invadiu desde lojas de roupas e assessórios até objetos de arte, bolos de festa - todos fazendo referência massiva às personagens dos contos protagonizados por Alice - "No País das Maravilhas" e "Através do Espelho", este escrito por Carroll logo depois do primeiro. Assim, o Gato que sorri, o Chapeleiro Maluco e a Rainha de Copas andam estampando bolsas, sapatos e camisetas e por aí afora.

Será que todos que estão hipnotizados por esses objetos - e que verão o filme - conhecem a real origem desse frenesi? Há só uma maneira de tirar a prova: lendo o livro. A seguir, confira comentários sobre o texto original e sobre algumas das principais traduções brasileiras de "Alice no País das Maravilhas". Veja também os principais filmes já produzidos pelo cinema - inclusive, claro, o de Burton. E, por fim, faça o teste e descubra que personagem desta obra-prima é você.

Para ler, clique nos itens abaixo:
O livro original
"Alice`s Adventures in Wonderland" e "Alice Through the Looking Glass" (Lewis Carroll, 1865) Os contos originais protagonizados pela menina Alice são exemplos de como a literatura infanto-juvenil pode ser inteligente, instigante e poética. Por isso, podem interessar crianças, jovens e adultos na mesma medida. Desde que "Alice no País das Maravilhas" foi publicado pela primeira vez, na Inglaterra em 1865, muito tem se pensado e falado sobre ele. A própria imagem das personagens, como foi disseminada pela Disney na década de 1950, já faz parte de nosso imaginário ocidental e, quem sabe, mundial.

Para estudiosos de literatura, Alice é considerada uma personagem-referência, pois simboliza a infância e a curiosidade. É como se ela fosse a encarnação do modo de pensar infantil e, por isso, da relativização de ideias e da pureza de pensamento. A escrita de Carroll é, por sua vez, vista como transgressora, pois, diferentemente da maioria das criações voltadas para crianças, sobretudo de sua época, ela não tem por objetivo transmitir uma determinada moral ou educar os pequenos leitores conforme ditames sociais. Muito pelo contrário. O texto de Carroll desafia a lógica comum com ironias a respeito da autoridade (encarnada pela Rainha de Copas e pela Rainha Vermelha), do funcionamento da escola (a história da Falsa Tartaruga), da contagem do tempo (o relógio do Chapeleiro) e de muitos outros pilares da cultura de sua Inglaterra.

Como era a Inglaterra de Lewis Carroll?
Em 1865, a Inglaterra de Lewis Carroll era um país em franco desenvolvimento industrial e científico, mas ainda muito tacanho no que diz respeito às relações sociais e à educação de crianças, que eram vistas como seres sem opinião e poder de decisão. Sob o reinado da Rainha Vitória, a Inglaterra viveu um de seus momentos de maior conservadorismo moral. Nesse cenário, Carroll propôs uma história aparentemente inofensiva (já que era voltada para crianças), mas que satirizava nas entrelinhas a sociedade inglesa.

A crítica social, entretanto, fica em segundo plano quando pensarmos na escrita brilhante de Carroll. Jogos de palavras e de ideias, rimas e poemas estão espalhados por seus textos garantindo um ritmo, uma melodia e um encadeamento de sentidos (ou de ausência de sentidos) muito únicos. Os diálogos aparentemente sem pé nem cabeça - como o que Alice tem com o Gato, ou com a Lagarta - são a base de um conceito muito usado para classificar a obra de Carroll, o de nonsense (sem sentido, em inglês). Notou-se que a falta de sentido é o próprio sentido - esta noção de dar nó na cabeça acabou por atrair muitos matemáticos e físicos ao estudo dos contos de Alice. Já as figuras oníricas (ou seja, que só podem mesmo fazer parte de um sonho) do "País das Maravilhas" e as questões existenciais da personagem Alice deram (e dão) pano para manga de muitos ensaios psicanalíticos.

E é por tudo isso que os contos de Carroll não apenas sobreviveram até hoje, como estão mais vivos do que nunca no momento e com certeza viverão para sempre: eles possuem uma capacidade de se atualizar e de trazer algo novo a cada década, a cada século, a cada leitor que decide se aventurar por eles.

As traduções de Alice
"Alice no País das Maravilhas" (Tradução: Nicolau Sevcenko. Editora: Cosac Naify) Lançada recentemente, esta ótima tradução chega para acrescentar mais beleza ao mundo de Alice em português. Nicolau Sevcenko preocupou-se em transpor o espírito de Carroll, mantendo rimas e nonsense e eliminando referências à Inglaterra vitoriana que já não fazem nenhum sentido para o leitor. Houve aqui um trabalho de adaptação sério e artístico. Vale a pena conhecer.

"Aventuras de Alice no País das Maravilhas" e "Alice Através do Espelho e O Que Alice Encontrou Lá" (Tradução: Sebastião Uchoa Leite. Editora: Summus) Considerada por muitos a melhor tradução de Carroll já feita no Brasil. O tradutor Uchoa Leite, que também era poeta e estudioso de teorias literárias, dedicou-se a um trabalho minucioso de transposição fiel, mas não literal. Portanto, como fez Nicolau Sevcenko agora, também Uchoa Leite buscou não perder o sentido e o espírito do texto original. Para quem quer conhecer os contos de "Alice" em sua plenitude, sem dúvida é uma das melhores opções.

"Alice - Edição Comentada", de Matin Gardner (Tradução: Maria Luiza X. de A. Borges. Editora: Jorge Zahar) A grande vantagem deste lindo livro, além de reunir os dois contos de "Alice" em um só volume, é trazer comentários detalhados e interessantíssimos sobre o texto de Carroll, as circunstâncias em que foi escrito e as referências obscuras contidas nele. A tradução de Maria Luiza Borges também é admirável.

As adaptações de Alice
"Alice no País das Maravilhas" (Adaptação: Ruy Castro. Editora: Companhia das Letrinhas) Uma adaptação não precisa simplificar, muito menos "assassinar" o texto original, e essa versão de Ruy Castro é prova disso. O texto resgata toda a graça e a estranheza de "País das Maravilhas" em muito menos palavras. Por isso, é ideal para introduzir crianças de até 10 anos no mundo de Carroll - o que não significa que adultos também não possam adorar.

"Alice no País das Maravilhas" (Tradução: Monteiro Lobato. Editora: IBEP Nacional) Lobato foi um dos primeiros a traduzir "Alice" para o português. Mas se trata, na verdade, mais de uma adaptação do que de uma tradução, pois trechos inteiros e nomes de personagens foram deliberadamente modificados com o provável objetivo de aproximar crianças brasileiras do texto. O resultado é irregular, mas os interessados em literatura infanto-juvenil não podem deixar de dar uma olhada na obra do gênio inglês adaptada por nosso gênio brasileiro.

"Alice no País das Maravilhas" (Tradução: Ana Maria Machado. Editora: Ática) Uma das autoras de literatura-infantil brasileira mais produtivas das últimas décadas, Ana Maria Machado optou também por um caminho de adaptação mais livre em sua tradução de "Alice no País das Maravilhas". Ela substituiu as canções e os poemas originais por exemplares brasileiros, como "A Casa", de Vinicius de Moraes. Essa mistura, porém, fica um pouco confusa, pois Alice continua sendo uma menina inglesa do século 19, só que declamando poemas brasileiros do século 20. Excetuando esse artifício, o texto é gostoso de ler e encontra boas soluções para os jogos de palavras originais.

As versões para o cinema
"Alice no País das Maravilhas" (Produção: Disney. Direção: Tim Burton. 2010) Em 3D e com visuais realmente maravilhosos, o filme está fazendo ótima carreira internacional e promete já chegar com sucesso ao Brasil, em 21 de abril. A expectativa em torno dessa nova versão tem sido muito grande. Em parte, ela é recompensada pela beleza e pelos efeitos criados pela equipe de Tim Burton. Por outro lado, essa adaptação pode não agradar aos fãs do texto original. A história é outra - uma mescla entre "No País das Maravilhas" e "Através do Espelho", mas com uma Alice mais velha, aos 19 anos - e a proposta principal da criação de Carroll, de relativização da lógica e da moral, é um tanto perdida, pois o filme pretende passar uma mensagem bem clara. Aqui, Alice, como o Frodo em "O Senhor dos Anéis", tem uma missão a cumprir em um cenário medieval e, para isso, conta com a ajuda de amigos, como o Chapeleiro Maluco (interpretado por Johnny Depp) e o Gato, produzido por efeitos de última geração. Tudo acaba se tornando uma batalha entre bem e mal, portanto mais previsível do que poderia ser, ainda mais se sabendo que passou pelas mãos de Burton, um gênio criador do cinema atual. Mas, questão de adaptação à parte, trata-se de uma bela aventura apropriada para crianças, realçada pelo 3D e com referências a várias histórias infantis, de "Branca de Neve" a "Excalibur".

"Alice no País das Maravilhas" (Produção: BBC. Direção: Johnathan Miller. 1966) Sem dúvida, uma das versões mais esquisitas da obra de Carroll. As imagens chegam a ser bizarras em alguns momentos, e Alice não é uma menina carismática, mas sim uma jovem dama enigmática e de paciência curta. Os diálogos do livro são transpostos quase que literalmente para a tela. Não há, porém, personagens-animais, e tudo se passa em clima de sonho, de inconsciente, como era comum nos filmes de arte da década de 1960. Por tudo isso, é um filme claramente para adultos, pois crianças não só podem não entender, como também se assustar. Conhecer o texto original antes de assistir ajudará muito.

"Alice no País das Maravilhas" (Produção: Columbia Pictures. Direção: Harry Harris. 1985) Versão feita para a TV, bastante transmitida no Brasil pela Rede Globo no final da década de 1980. Não é tão artística quanto as outras e às vezes parece um pouco cafona, mas consegue atrair as crianças para o universo de Carroll de maneira leve e bem colorida.

"Alice - Adventures in Wonderland" (Produção: Joseph Shaftel Productions. Direção: William Sterling. 1972) Fiona Fullerton, a atriz desta adaptação inglesa, costuma ser considerada uma das melhores Alices do cinema. O filme seria mais atraente se não fosse tão lento. Como se trata de um musical (com belas canções, é verdade), pode se tornar maçante em alguns momentos. Também mistura os dois contos de Alice, e não deixa de ser uma boa opção para fãs de Carroll e de musicais.

"Alice no País das Maravilhas" (Produção: Disney. Vários diretores.1951) O mais conhecido e visto dos filmes baseados em Carroll até hoje. A animação mistura os dois contos de Alice e simplifica um pouco os diálogos, deixando-os mais palatáveis para o público infantil. Essa versão teve papel essencial no boom de interesse que Carroll despertou nos anos 50 e 60 do século passado, tanto em leitores comuns, como em matemáticos e psicanalistas que passaram a investigar a estranha lógica escondida atrás dos jogos de palavras de seus contos. Os visuais cridos pela Disney já são imortalizados. É difícil imaginar Alice sem o vestido azul com avental branco, e mais difícil ainda imaginá-la morena, embora a menina não pareça loira nas ilustrações originais (em preto e branco), feitas por Carroll e John Tenniel. O Gato com listras pink e a cartola alta do Chapeleiro Maluco também invadiram o imaginário mundial para nunca mais sair.

"Alice in Wonderland" (Produção: BFIfilms. Direção: Percy Stow e Cecil Hepworth. 1903) Este você pode ver on-line! É uma joia do começo do século 20. Lançado em 1903 com duração de 12 minutos, foi o filme mais longo feito na Inglaterra até então. É interessante notar como a cena que antecede a entrada de Alice no País das Maravilhas - quando ela bebe da garrafinha para diminuir de tamanho e come o bolinho para aumentar - é fiel ao livro já nesse pequeno filme. Esta é uma das poucas partes preservadas em praticamente todas as adaptações cinematográficas. Assista: http://www.youtube.com/watch?v=zeIXfdogJbA

O enigma do autor: Lewis Carroll
"Gosto de crianças, exceto de meninos" é uma das intrigantes declarações atribuídas ao inglês Lewis Carroll, pseudônimo de Charles Lutwidge Dodgson (1832-1898). Carroll era, além de escritor, matemático e professor de matemática, o que explica as questões de lógica propostas em seus textos. Era, também, apaixonado por jogos e charadas. Existe uma polêmica, porém, em relação à sua vida pessoal. Ele gostava da companhia de meninas e também de fotografá-las, inclusive nuas. Uma de suas pequenas amigas foi Alice Liddell, que inspirou a criação da personagem Alice. Não se sabe a exata natureza de sua admiração por essas meninas, o que vem instigando há décadas o interesse de psicanalistas e críticos literários, que analisam a sua obra em busca de pistas sobre seus possíveis desejos e neuroses. Mas Carroll nunca foi considerado um agressor, e não há pistas reais de que tenha sido. Foi, isso com certeza, um homem solitário e um tanto enigmático.

 

amigos do educar

 


lição de casa

Crianças que fazem a lição de casa diariamente aprendem mais, têm notas melhores e se tornam mais seguras. Faça a sua parte!



depoimentos

Marina Silva, Martha Medeiros, Nelson Motta e outras personalidades brasileiras revelam o impacto de uma boa Educação no futuro



recomendamos

EDUCAÇÃO INFANTIL
Como contribuir com essa importante fase de formação da criança

ENSINO FUNDAMENTAL 1
Como acompanhar os primeiros passos da vida escolar de seu filho

ENSINO MÉDIO
Dicas para pais e alunos enfrentarem esta fase de novos desafios

mais lidos

ALFABETIZAÇÃO
11 dicas para ajudar na alfabetização de seu filho

TECNOLOGIA
52 sites que ensinam e divertem a criançada