Educar para Crescer
busca

Educar para crescer

LITERATURA

Morte e Vida Severina

Auto de Natal pernambucano, o poema de João Cabral de Melo Neto combina estrutura rigorosa e temática popular


11/07/2011 17:18
Texto Daniel Schneider e Thiago Minani
Bravo
Foto: CARLOS CHICARINO
João Cabral de Melo Neto
João Cabral de Melo Neto, um dos poetas mais consagrados do Brasil por seus versos simples e despojados
----- PAGINA 01 -----

O recifense João Cabral de Melo Neto (1920-1999) consagrou-se como um dos principais poetas brasileiros. É, pelo lado materno, primo do sociólogo e escritor Gilberto Freyre (1900-1987), enquanto, pela raiz paterna, tinha parentesco com Manuel Bandeira. Em princípio, sua poesia sofre influência surrealista pela via do colega Murilo Mendes, como se percebe na primeira obra, A Pedra do Sono, de 1942, em que emprega conceitos freudianos e elementos oníricos. Com O Engenheiro (1945), dá-se início ao estilo que João Cabral levaria por toda a vida: textos claros e objetivos, despojados de qualquer ornamentação. Nos já maduros versos de O Cão sem Plumas (1950), que fala do rio Capibaribe, a temática passa a privilegiar também a perspectiva social.

Embora fizesse parte da chamada Geração de 45, que procurou desbastar os "excessos" do Modernismo por meio de um rigor formal de moldes parnasiano-simbolistas, João Cabral soube superar os limites dessa vertente, à qual também pertenceram Manuel de Barros (1916), Paulo Mendes Campos (1922-1991), José Paulo Paes (1926-1998), Lêdo Ivo (1924), Péricles Eugênio da Silva Ramos (1919-1992), dentre outros. O propósito de Cabral em cortar dos versos todos os elementos supérfluos, inclusive os musicais, na busca por uma nova objetividade, empresta à sua poesia uma áspera expressividade de grande frescor.

Em Morte e Vida Severina, longo poema que saiu no livro Duas Águas, de 1956, harmonizam-se forma e temática social. Neste auto de Natal pernambucano, o autor trata da luta de Severino, um retirante do agreste, pela sobrevivência. Guiado pelo rio Capibaribe rumo ao litoral, Severino busca chegar à capital, almejando uma vida digna. Pelo caminho, depara-se com as diversas facetas da morte - causada pela seca; pela fome, que corrói as entranhas do país, e pela disputa por terras áridas. Ele tenta a todo custo fugir da destruição e corre em busca da perspectiva de dias melhores, mas a cidade grande revela uma realidade tão dura quanto a do sertão. Diante de tal situação-limite, Severino planeja o suicídio atirando-se da ponte sobre o rio Capibaribe, que o guiara até ali. Contudo, após presenciar o nascimento de uma criança (filho de José, o mestre "carpina", numa clara alusão ao nascimento de Cristo), reacende-se no coração do herói a esperança de vencer a vida "severina", e Severino acaba por desistir de seu intento. Musicado por Chico Buarque de Holanda, o poema fez grande sucesso no teatro, no Brasil e no exterior.

Veja abaixo o trecho que diz respeito à revelação da vida, que se apresenta ao personagem principal:

E não há melhor resposta

que o espetáculo da vida:

vê-la desfiar seu fio,

que também se chama vida,

ver a fábrica que ela mesma,

teimosamente, se fabrica,

vê-la brotar como há pouco

em nova vida explodida;

mesmo quando é assim pequena

a explosão, como a ocorrida;

mesmo quando é uma explosão

como a de há pouco, franzina;

mesmo quando é a explosão

de uma vida severina. 


 

amigos do educar

 


lição de casa

Crianças que fazem a lição de casa diariamente aprendem mais, têm notas melhores e se tornam mais seguras. Faça a sua parte!



depoimentos

Marina Silva, Martha Medeiros, Nelson Motta e outras personalidades brasileiras revelam o impacto de uma boa Educação no futuro



recomendamos

EDUCAÇÃO INFANTIL
Como contribuir com essa importante fase de formação da criança

ENSINO FUNDAMENTAL 1
Como acompanhar os primeiros passos da vida escolar de seu filho

ENSINO MÉDIO
Dicas para pais e alunos enfrentarem esta fase de novos desafios

mais lidos

ALFABETIZAÇÃO
11 dicas para ajudar na alfabetização de seu filho

TECNOLOGIA
52 sites que ensinam e divertem a criançada