Educar para Crescer
busca

Educar para crescer

ENSINO INTEGRAL

O que é educação integral?

Conheça o conjunto de fatores que reorganizam tempo, espaços e conteúdos para trabalhar o desenvolvimento dos alunos em sua totalidade


13/03/2014 11:55
Texto Daniele Zebini
Educar
Foto: Dreamstime
A Lei de Diretrizes e Bases da Educação propõe uma jornada diária de 7 horas para que as crianças se envolvam com a aprendizagem

Integral. Por definição, quer dizer total, inteiro, global. É isso o que se pretende com a educação integral: desenvolver os alunos de forma completa, em sua totalidade. Muito mais do que o tempo em sala de aula, a educação integral reorganiza espaços e conteúdos. Um grande desafio, mas que já começa a tomar forma.

O Programa Mais Educação, do MEC, por exemplo, trabalha neste sentido desde 2008, promovendo a ampliação de tempos, espaços e oportunidades educativas, de modo que a tarefa de educar seja dividida com os pais e a comunidade.

Como fazer para implantar um sistema complexo como esse em um país em que a maioria das escolas oferece apenas 3 a 4 horas de aula por dia para atender à imensa demanda de alunos que precisam estudar? A cidade de Palmas, no Tocantins, mostrou que nada é impossível. Inicialmente, foram implantadas nas escolas municipais as "salas integradas", com ampliação da carga horária de estudantes de renda mais baixa. Depois, somaram-se outras 4 modalidades: jornada ampliada, escolas de tempo de integral (com estrutura pensada especificamente para o período integral), educação integral no campo e educação integral nos centros de educação infantil.

Todos os alunos atendidos cursam as mesmas disciplinas e oficinas no contraturno escolar, e os professores procuram mostrar como se relacionam as diversas áreas do conhecimento. "Palmas é um exemplo importante de que a educação integral é possível", afirma Márcia Quintana, coordenadora de programas na Fundação Itaú Social. Ela lembra, no entanto, que não dá para estabelecer um modelo padrão para o país todo. "O Brasil é muito grande, com localidades de características muito diferentes. Por isso, cada estado e município devem implantar a educação integral de acordo com a própria realidade."

Com o intuito de avaliar os caminhos para a educação integral no Brasil, a Fundação Itaú Cultural, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e o Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (Cenpec) realizaram uma pesquisa junto a 16 iniciativas lideradas por governos municipais, estaduais e organizações da sociedade civil. Confira, a seguir, os pontos fundamentais para a educação integral, levantados no estudo Tendências para a Educação Integral, e descubra se a escola do seu filho está no caminho certo.

Leia também:

        10 vantagens do período integral

        5 vantagens da escola com atividades no contraturno

Para ler, clique nos itens abaixo:
1. Estender a jornada escolar
A jornada escolar diária do ensino básico no país é ainda bastante baixa, de cerca de 4 horas. "Esse tempo não é suficiente nem para transmitir o conteúdo curricular obrigatório", afirma Márcia Quintana, coordenadora de programas na Fundação Itaú Social. A Lei de Diretrizes e Bases propõe uma jornada diária de 7 horas para que as crianças se envolvam realmente nas tarefas de aprendizagem .

"Ampliar o tempo é um grande desafio, e é preciso pensar também no tempo doméstico da criança, que precisa da convivência com a família para se desenvolver integralmente", diz Maria do Carmo Brant de Carvalho, consultora do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (Cenpec). Muitos países resolveram essa questão assegurando um meio período durante a semana para que as crianças possam permanecer no espaço doméstico, com as famílias.
2. Amarrar as atividades do turno e do contraturno
O turno complementar, oposto ao do horário de estudo da criança, é importante para enriquecer a aprendizagem. No entanto, a existência por si só desse contraturno não significa educação integral. "Não basta oferecer uma variedade de atividades para preencher o tempo das crianças. Elas precisam estar ligadas ao conteúdo", afirma Márcia Quintana, coordenadora de programas na Fundação Itaú Social. "Há que ligar os saberes, contextualizando-os", complementa Maria do Carmo Brant de Carvalho, consultora do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (Cenpec).
3. Apostar nas atividades extra-classe
O reforço escolar, período em que a lição de casa é feita e no qual os alunos com dificuldades ganham atenção extra, é parte da educação integral, mas não reflete o sistema de ensino. Além do reforço escolar para alunos com dificuldades de aprendizagem, é preciso aumentar o tempo de estudo integrado para todos os outros estudantes, com ou sem deficiências para aprender.
4. Ter um projeto pedagógico bem definido
Educar integralmente significa pensar a aprendizagem por inteiro. E é por meio do projeto político-pedagógico que se mobiliza e costura a oferta de experiências capazes de desenvolver habilidades cognitivas e intelectuais, afetivas, físicas, éticas e sociais. O projeto deve ser muito bem definido para atender às necessidades de alunos concretos, situados em um dado território, com demandas, interesses e repertórios culturais que devem ser reconhecidos.
5. Integrar espaços, saberes e agentes educadores
O espaço da cidade pode complementar as lições da sala de aula. O traçado da rua pode ajudar na aula de geometria, a história do bairro na aula de história, as placas da rua nas aulas de português. As árvores, na aula de ciências. E por aí vai. A educação integral considera a cidade como território educador, propondo a exploração de novos itinerários na ação educativa; coloca na mesma mesa os muitos saberes produzidos socialmente, mediados pelas questões contemporâneas. Produz aproximação e integração entre os diversos campos do conhecimento (artístico, linguístico, científico, ético, físico) articulados às vivências na escola, na família e na comunidade.
6. Valorizar a diversidade cultural
Por que na Índia as vacas são sagradas? Por que se come cachorro na Chia e cavalo em Cuba? No mundo, as pessoas têm respostas diferentes para situações diferentes e com isso constróem a sua cultura, ou seja, os seus hábitos de vida. Uma Educação integral deve mostrar isso e, assim, tanto aumentar o repertório do estudante quanto mostrar a importância de se respeitar os diferentes estilos de vida. Quando uma criança aprende a respeitar a diferença, ela aumenta seus horizontes - ficará mais fácil para ela ficar amiga virtual de outra criança em Portugal, Angola ou Macau (onde também se fala português).
7. Valorizar a família e a comunidade
É muito importante, portanto, trazer essa experiência, esse capital social e cultural, para a sala de aula. É preciso que esse saber que não se aprende na escola seja aproveitado na sala de aula. É preciso que a vida em família e a vida escolar sejam irrigadas por relações com as comunidades, os territórios, a cidade. "Até pouco tempo, a escola era um espaço para dar conta da aprendizagem de crianças e adolescentes. Hoje, os alunos demandam outros interesses, outros valores que não só os da disciplina. E a escola não é suficiente para dar conta dessa demanda. Ela precisa se unir a outros espaços sócio-culturais", explica Maria do Carmo Brant de Carvalho, consultora do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (Cenpec)..
8. Fazer parcerias com a comunidade
Atitudes simples podem ajudar a complementar a Educação formal. No Morro do Alemão, comunidade do Rio de Janeiro, uma assistente administrativa organizou aulas gratuitas de inglês para crianças e adultos - leia mais aqui ), complementando uma lacuna importante. Atitudes como essa são ótimos exemplos e deveriam servir de inspiração. Muitos projetos socioeducativos nasceram nas comunidades brasileiras por iniciativa da sociedade e não pelas mãos do Estado, como forma de complementar as aprendizagens ofertadas pela escola a crianças e adolescentes pobres. Tais projetos continuam a existir e, quando ocorrem, têm origem no próprio interesse de cada escola ou ONG, não sendo costuradas e assumidas como política pública da cidade. Articular e combinar saberes e práticas que estão na escola, na família, nos projetos socioeducativos do território e da cidade contribui para a educação integral, potencializando ações que promovem a inclusão.
9. Expandir a educação para outros setores
E quem disse que ir a um museu não faz parte da Educação? Ou fazer um passeio em um pedaço raro de Mata Atlântica? Existe sim aprendizagem fora da sala de aula e em situações do dia a dia. Não há mais sentido em uma educação trancada na sala de aula. Para um aprendizado integral, deve-se considerar o investimento em outras políticas setoriais, como cultura, esporte, assistência social e meio ambiente. A educação integral acontece quando está integrada a um projeto que vê a política social como um todo.

 

amigos do educar

 


lição de casa

Crianças que fazem a lição de casa diariamente aprendem mais, têm notas melhores e se tornam mais seguras. Faça a sua parte!



depoimentos

Marina Silva, Martha Medeiros, Nelson Motta e outras personalidades brasileiras revelam o impacto de uma boa Educação no futuro



recomendamos

EDUCAÇÃO INFANTIL
Como contribuir com essa importante fase de formação da criança

ENSINO FUNDAMENTAL 1
Como acompanhar os primeiros passos da vida escolar de seu filho

ENSINO MÉDIO
Dicas para pais e alunos enfrentarem esta fase de novos desafios

mais lidos

ALFABETIZAÇÃO
11 dicas para ajudar na alfabetização de seu filho

TECNOLOGIA
52 sites que ensinam e divertem a criançada