Educar para Crescer
busca

Educar para crescer

VESTIBULAR

Guia do Enem 2015

Tire todas as suas dúvidas sobre o Exame Nacional do Ensino Médio


09/05/2015 15:20
Texto Camilo Gomide
Educar
Foto: Silvio Tobias
Foto: 75 universidades federais e estaduais usarão a pontuação do ENEM em seus vestibulares
Mais de 100 universidades federais e estaduais usarão a pontuação do ENEM em seus vestibulares

Além de servir como prova para o processo seletivo de universidades federais, estaduais e de Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia pelo Sisu e Sisutec, o Enem 2015 também pode ser utilizado para a seleção dos bolsistas do ProUni e ainda continua valendo como parte das notas de alguns vestibulares de instituições particulares. A sua nota também é pré-requisito para firmar contratos pelo Fies e para participar do programa de intercâmbio Ciência sem Fronteiras.

Este ano, algumas mudanças ganharam destaque: o horário de fechamento dos portões não será mais o mesmo de início das provas, cada participante deve ter seu próprio email, não repetido, e os participantes que obtiverem isenção de pagamento da taxa de inscrição e não comparecerem ao exame não terão direito à isenção no ano seguinte. Além disso, a taxa de inscrição aumentou para 63 reais.

Histórico

Desde 2009, o Enem tem substituído o vestibular para muitas universidades federais. É uma tentativa do MEC de reformular o currículo do ensino médio. De acordo com Fernando Haddad, ministro da Educação na época da mudança, em 2010, o antigo sistema de seleção privilegiava a "decoreba" ao invés de estimular o desenvolvimento do senso crítico e do raciocínio. Haddad acredita que, ao cobrar esses conteúdos da maneira como vem sendo feito, as universidades e faculdades influenciam negativamente a grade do Ensino Médio e essa é uma das principais causas da má qualidade do Ensino Médio brasileiro. "O vestibular está desorganizando o currículo do Ensino Médio. Os assuntos cobrados não colaboram para a compreensão do mundo e seus fenômenos", disse o ministro.

Para entender melhor o Enem 2015, o Educar Para Crescer elaborou uma lista com as principais dúvidas sobre o exame.

Para ler, clique nos itens abaixo:
1. Quem pode prestar o Enem 2015?
O Enem é voluntário, e podem participar alunos que concluirão o Ensino Médio em 2015 ou em anos anteriores.
2. Como se inscrever no Enem 2015?
Os interessados em prestar o Enem 2015 poderão se inscrever para a prova pelo site a partir do dia 25 de maio. As inscrições serão feitas exclusivamente pela internet e vão até o dia 05 de junho. Para inscrição, o Enem 2015 exigirá que o estudante informe a data de nascimento e o número do próprio CPF (independentemente da idade, o aluno com 16 anos ou mais pode fazer o cadastro de pessoa física em uma agência do Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, através dos Correios ou online). A inscrição também pedirá um número de telefone (celular ou fixo) e um email válidos.

O INEP preparou um guia para auxiliar os estudantes na inscrição.
3. Em quais casos a inscrição é gratuita?
Estudantes de escolas públicas ou que sejam de famílias com renda per capita de até um salário-mínimo e meio se inscrevem ao Enem gratuitamente. Nas demais situações, o valor da taxa de inscrição é 63 reais. O pagamento deve ser feito até as 21h59 (de Brasília) de 10 de junho.
4. Como é a prova?
O exame é composto por 180 questões de múltipla escolha, divididas em quatro áreas de conhecimento e dois dias de prova:
24 de outubro: Ciências da Natureza e Ciências Humanas
25 de outubro: Linguagens e Matemática, mais a redação

Cada grupo de testes será composto por 45 itens de múltipla escolha. No primeiro dia são 4h30 de prova e no segundo, 5h30.

O conjunto de habilidades exigidas em cada área de conhecimento e os conteúdos específicos do currículo associados a elas estão disponíveis no edital (p.33 a p.48) da edição de 2015. Confira aqui!
5. Como será a redação e quais são as mudanças na correção?
Na redação, os participantes devem analisar diferentes textos que tratam de temas atuais de ordem política, social ou cultural e, depois, escrever um novo texto argumentativo-dissertativo em prosa apresentando seu ponto de vista.

Desde 2012, todos que fazem o ENEM podem ter acesso a sua redação corrigida, por meio da Página do Participante .
Cada redação é corrigida por dois especialistas que atribuem uma pontuação de 0 (zero) a 200 (duzentos) pontos em cada uma das cinco competências: domínio da língua portuguesa, compreensão do tema proposto, capacidade de selecionar e organizar ideias, demonstração de conhecimento sobre o tema e apresentação de solução para a proposta dissertativa.

A nota final corresponde à média aritmética simples das notas atribuídas pelos dois corretores. Caso ocorra uma diferença de 200 pontos ou mais entre as duas notas totais (numa escala de 0 a 1000) ou se a diferença de suas notas em qualquer uma das competências for superior a oitenta (80) pontos (numa escala de 0 a 200), a redação passará por um terceiro corretor. Essa terceira avaliação substitui as avaliações anteriores. É preciso justificativa para redações com nota 1.000 e com erros.

Serão anuladas redações que não estejam com a estrutura textual dissertativo-argumentativa, que não esteja transcrito na Folha de Redação, que apresente até 7 linhas ou contenha deboches e desenhos.
6. Como ver os resultados do Enem 2015?
Os gabaritos das provas objetivas serão divulgados no site do Inep até o terceiro dia útil após as provas.

Este ano, os resultados individuais só serão disponibilizados no site do Inep, em data a ser divulgada. O participante poderá conferi-lo mediante inserção do número de inscrição e senha ou CPF e senha.
7. Qual a relação entre o Enem e o Prouni?
O ProUni (Programa Universidade para Todos) é um programa que concede bolsas de estudo integrais ou parciais em cursos de graduação e sequenciais de formação específica, em instituições públicas e privadas de educação superior. A seleção dos candidatos é feita de acordo com a nota obtida no Enem. Além da nota, é preciso que a renda per capita familiar não ultrapasse três salários mínimos.
8. Qual a relação entre o Enem e o Sistema de Seleção Unifica (Sisu) para universidades?
O Sistema de Seleção Unifica (Sisu) é um método informatizado de rankiamento, gerenciado pelo Ministério da Educação, por meio do qual as instituições públicas de educação superior participantes selecionam novos estudantes exclusivamente pela nota do Enem. O aluno pode escolher as instituições em que deseja estudar, por ordem de preferência, através de um sistema informatizado e online. Nesse mecanismo, as universidades informam o número de vagas disponíveis e o peso que cada área do conhecimento da prova terá na nota final do candidato. A partir dessas informações, o sistema simula a posição dos candidatos e suas possibilidades de acesso nas universidades de sua preferência. A escolha das universidades e do curso só será feita depois que o estudante prestar a prova e o resultado for divulgado. É importante lembrar que somente as instituições que adotarem o Enem como fase única de seus processos seletivos ofertarão suas vagas no sistema unificado.
9. Qual a relação entre o Enem e o Fies?
O Fies (Fundo de Financiamento Estudantil) é um programa do Ministério da Educação que financia a faculdade de estudantes de instituições particulares. As bolsas são concedidas de acordo com sua colocação no Enem e para participar é necessário que o candidato tenha alcançado a nota mínima de 450 pontos, renda bruta familiar mensal de até 20 salários mínimos e não tenha zerado a redação. As inscrições para o Fies podem ser feitas pelo site oficial.
10. Qual a relação entre o Enem e o Ciências Sem Fronteiras?
O Ciências Sem Fronteiras é um programa que promove a pesquisa através de intercâmbios científicos. O Enem também é utilizado como método classificatório para as bolsas. O candidato precisa ter atingido, no mínimo, 600 pontos no exame. Em caso de empate nas notas, os critérios serão a participação em iniciação científica e prêmios em olimpíadas científicas. Para mais informações, confira o site do Ciências Sem Fronteiras clicando aqui.
11. Quais os objetivos da mudança no vestibular?
A proposta do MEC é mudar a forma como o conteúdo é cobrado nos vestibulares para, assim, reorganizar a grade do ensino médio. Atualmente, o Enem exige mais raciocínio do que memorização. Além disso, com o vestibular unificado, pretende-se alcançar maior mobilidade de estudantes entre as universidades, pois os candidatos que tirarem as melhores notas poderão escolher as instituições onde estudar. Dessa maneira, um estudante do Acre que pretende cursar medicina no Rio de Janeiro poderá fazer a prova em seu estado, e caso consiga pontuação suficiente terá uma vaga assegurada na instituição de sua preferência. Tudo isso sem precisar arcar com os custos de um vestibular fora de seu estado.
12. Como o Enem funciona como certificado de Ensino Médio?
Desde 2009, existe a possibilidade de se obter a certificação de conclusão do Ensino Médio por meio do Enem.

Para isso, o candidato, no ato de inscrição para o exame, deve indicar a pretensão de utilizar os resultados da prova para a obtenção de certificação de conclusão do Ensino Médio, e fazer a prova, assim como os demais. A única exigência é ter 18 anos completos até o dia 24 de outubro, quando se iniciam as provas. Se atingir no Enem a nota mínima exigida para conseguir o certificado, o candidato deve procurar a instituição certificadora indicada por ele no ato de inscrição e pedir o documento. Competem às instituições certificadoras as definições dos prazos e procedimentos complementares para a expedição desse documento.
13. Quem vai mal no Enem pode prestar novamente a prova em outros anos?
Sim, o estudante pode prestar o Enem quantas vezes achar necessário. Mesmo já tendo concluído o ensino médio há um bom tempo.
14. O que levar no dia da prova?
- Documento de identificação: cédulas de identidade (RG) expedidas pelas Secretarias de Segurança Pública, pelas Forças Armadas, pela Polícia Militar, pela Polícia Federal; identidade expedida pelo Ministério da Justiça para estrangeiros; identificação fornecida por ordens ou conselhos de classes que por Lei tenham validade como documento de identidade; Carteira de Trabalho e Previdência Social; Certificado de Dispensa de Incorporação; Certificado de Reservista; Passaporte; e a Carteira Nacional de Habilitação com fotografia, na forma da Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997.
Não serão aceitos em hipótese alguma Certidão de Nascimento, Certidão de Casamento, Título Eleitoral, Carteira Nacional de Habilitação em modelo anterior à Lei nº 9.503/97, Carteira de Estudante, crachás e identidade funcional de natureza privada, nem documentos ilegíveis, não identificáveis e/ou danificados, ou, ainda, cópia de documentos, mesmo que autenticadas.

-Caneta esferográfica preta, fabricada em material transparente
15. O que não levar no dia da prova?
Lápis, caneta de material não transparente, lapiseira, borrachas, livros, manuais, impressos, anotações e dispositivos eletrônicos, como máquinas calculadoras, agendas eletrônicas ou similares, telefones celulares, smartphones, tablets, pen drives, mp3, gravadores, relógios. Antes de ingressar na sala de provas, o telefone celular deverá ser desligado e guardado em uma embalagem fornecida pela organização, que deve ser lacrada e identificada pelo participante, e mantida embaixo da carteira durante todo o tempo de prova.

Também não será possível utilizar óculos escuros e bóne, chapéus, viseira ou gorros durante a prova.
16. O que é Comitê de Governança e para que ele serve?
O Comitê de Governança foi criado em 2009 a pedido da Andifes (Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior). À época, a intenção era acompanhar a elaboração e evolução do novo Enem. Hoje, o Comitê analisa os impactos do exame no currículo do ensino médio e faz os ajustes necessários ao Enem. Fazem parte do Comitê de Governança representantes do Inep:
Associação Nacional de Dirigentes das Instituições Federais de Educação Superior (Andifes)
Ministério da Educação (Secretaria de Educação Básica, de Educação Tecnológica, de Educação Superior)
Conselho Nacional de Secretários de Educação (CONSED)
União Nacional de Dirigentes Municipais de Educação (UNDIME)
Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (CONIF)
Associação Brasileira dos Reitores das Universidades Estaduais e Municipais (ABRUEM)

 

amigos do educar

 


lição de casa

Crianças que fazem a lição de casa diariamente aprendem mais, têm notas melhores e se tornam mais seguras. Faça a sua parte!



depoimentos

Marina Silva, Martha Medeiros, Nelson Motta e outras personalidades brasileiras revelam o impacto de uma boa Educação no futuro



recomendamos

EDUCAÇÃO INFANTIL
Como contribuir com essa importante fase de formação da criança

ENSINO FUNDAMENTAL 1
Como acompanhar os primeiros passos da vida escolar de seu filho

ENSINO MÉDIO
Dicas para pais e alunos enfrentarem esta fase de novos desafios

mais lidos

ALFABETIZAÇÃO
11 dicas para ajudar na alfabetização de seu filho

TECNOLOGIA
52 sites que ensinam e divertem a criançada