Educar para Crescer
busca

Educar para crescer

CULTURA

Páscoa na escola: que tom ela tem?

A celebração pode ser tratada de forma lúdica e profunda, evitando-se excessos religiosos e sem que os alunos percam tempo demais entre ovos e coelhinhos. Veja dicas e acompanhe o trabalho da escola de seu filho


26/03/2014 14:38
Texto Cynthia Costa
Educar
Foto: Dreamstime
"Tratamos os símbolos da Páscoa não do ponto de vista religioso, mas sim do curioso", Vânia Barone Monteiro, coordenadora do Colégio Dante Alighieri

Em 2014, a Páscoa será comemorada no domingo, dia 20 de abril. Antes desse merecido descanso, porém, a maior parte dos alunos estará às voltas com as provas bimestrais e, ainda, com as atividades escolares relacionadas a essa festa católica.

Por que tratar uma celebração religiosa em ambiente escolar, já que o Estado brasileiro é oficialmente laico, isto é, não pertencente a nenhuma religião, assim como as escolas públicas e muitas particulares? "Não podemos ignorar os fenômenos culturais de nosso país", responde Vânia Barone Monteiro, coordenadora do Ensino Fundamental I do Colégio Dante Alighieri, na capital paulista. "Tratamos os símbolos da Páscoa, como o ovo e o coelho, não do ponto de vista religioso, mas de conhecimentos gerais, de curiosidades que atraem os alunos", esclarece ela.

A Páscoa é, de fato, um evento importante para a sociedade brasileira, constituindo-se como a principal comemoração para os católicos (maioria religiosa em nosso país), além de um fenômeno comercial na venda de chocolates. O trabalho com o tema na escola merece, entretanto, alguns cuidados, para que não se perca tempo precioso de aula com frivolidades, nem se enfatize aspectos espirituais que cabem à família, e não à instituição de ensino.

A seguir, confira dicas para acompanhar com olhar crítico o trabalho da escola de seu filho, seja ela laica ou mesmo católico-cristã.

Para ler, clique nos itens abaixo:
1. A Páscoa não é distribuição de ovos
Entender o significado dessa celebração deve ser o primeiro passo do trabalho na escola, já que a criança vem sendo bombardeada há semanas com comerciais de ovos de chocolate na TV - e pode concluir, com isso, que se trata apenas de um dia para trocar guloseimas. "As crianças pequenas, especialmente, relacionam a Páscoa com ovos, apenas", confirma Patrícia Maria Silva Brum Pimenta, diretora pedagógica do Colégio Brumline, de São Paulo. "Por isso, sem enfatizar o aspecto religioso, mas sim histórico, explicamos o que esse dia significa para os católicos. Antes disso, porém, avisamos aos pais que falaremos do assunto", ressalta Patrícia, sinalizando algo importante: é bom que fique claro para os pais, de preferência no início do ano, que tipo de postura a escola assumirá diante de comemorações como Páscoa e Natal.

Outra dica é trabalhar também o sentido da Páscoa Judaica, ou Pessach, sobretudo se houver alunos judeus na escola. Assim, introduz-se a noção de pluralidade religiosa, e o ponto de vista histórico-cultural ganha força.
2. Coelho não bota ovo
Esta não é uma confusão incomum, e vale a pena esclarecer o assunto com as crianças do Ensino Fundamental I, partindo do trabalho com símbolos pascais em geral. Os ovos (por conterem uma nova vida) e os coelhos (por terem muitos filhos) tornaram-se símbolos populares da Páscoa, mas não têm, obviamente, relação direta entre si. "Relatamos uma lenda sobre crianças que descobrem uma cesta de ovos pintados por sua mãe na mesma hora em que passa correndo um coelhão", diverte-se a coordenadora Vânia Barone Monteiro, do Colégio Dante Alighieri, completando: "Assim explicamos de forma lúdica a ligação entre os ovos e o coelho e ainda aproveitamos para tratar o gênero lenda". Vânia revela, ainda, que os alunos maiores, do 4º e 5º ano, deparam com um verdadeiro desafio de Páscoa: entender por que essa celebração não possui data pré-definida, e o que isso tem a ver com o equinócio de outono, um conceito complexo, que se torna mais acessível quando abordado no contexto.
3. Ovos compartilhados
No último ano da Educação Infantil e nos primeiros anos do Ensino Fundamental I, a Páscoa pode ser um bom gancho para uma atividade lúdica que envolva compartilhar, um valor essencial para essa faixa etária. "Na aula de culinária, os alunos podem fazer, juntos, um ovo de Páscoa e depois reparti-lo. Ou a classe se organiza para um amigo-secreto de bombons", sugere Carmen Silvia Penha Galluzzi, psicóloga educacional da Organização Educacional Margarida Maria (OEMAR), de São Paulo. Muitos professores, quando ganham ovos dos pais, também optam por compartilhá-los com a classe (embora não seja uma obrigação, claro).
4. Um ovo, dois ovos, três ovos... Assim, não!
Dividir os ovos também impede que as crianças se entreguem às guloseimas sem restrição. Afinal, o consumo de chocolate em excesso faz mal, e é bom que a criançada saiba. Outro bom gancho sugerido pela psicóloga educacional Carmen Galluzzi é a questão nutricional. "Em vez de comer chocolate, que tal experimentar os alimentos da dieta do coelho? Além de muito acessíveis, a alface e a cenoura são nutritivas e gostosas", lembra ela. Em casa, a recomendação é a mesma: limite no consumo de tentações, para que a Páscoa não fique estigmatizada como um momento de liberação geral à mesa.
5. A programação de ensino deve ser preservada!
Na semana da Páscoa, as aulas já serão interrompidas na quarta-feira, devido ao longo feriado. Não faz sentido, assim, que se percam horas importantes para o ensino do conteúdo com troca de chocolates e confecção de orelhinhas de coelho - embora se possa reservar o período de uma aula para atividades assim. "Reservamos no máximo 1h30 para um lanche comunitário com colomba pascal e chocolate. Na aula de artes, a produção de coelhinhos e afins é opcional, o aluno decide se quer fazer", diz Vânia Barone Monteiro, do Colégio Dante Alighieri. No caso das escolas públicas, cada Secretaria de Educação define como essas celebrações podem ser trabalhadas nas instituições de seu estado ou município, de modo a não prejudicar o andamento das aulas. No Rio Grande do Sul, nove sábados ao ano são reservados para isso."Faremos uma apresentação no sábado dedicado à Páscoa, envolvendo alunos de todo o Ensino Fundamental", diz a supervisora Alice Von Groll, da E.E. Fátima de Canoas. Após a comemoração, fotos e informações sobre o projeto serão publicadas no blog da escola.
6. E o Coelhinho da Páscoa?
As crianças menores da Educação Infantil, de até 4 anos, estão com a imaginação a toda e podem tirar proveito de uma busca pelos ovos deixados pelo Coelhinho da Páscoa, no estilo "caça ao tesouro", seja em casa ou na escola. "O enfoque pode ficar na brincadeira em si, e não no personagem do Coelhinho", aponta a psicóloga educacional Carmen Galluzzi, estimulando pais, professores e crianças a se juntarem nessa troca lúdica. Ovinhos de chocolate e coelhos de pelúcia ou sucata podem incrementar a fantasia característica da época, sem prejudicar em nada o andamento escolar dos menorzinhos.
7. Para os católicos, ênfase na espiritualidade
Se você optou por colocar seu filho em um colégio oficialmente católico-cristão, é natural que conte, nessa época, com um trabalho mais espiritualizado. "Aqui, nem estimulamos a troca de ovos de chocolate, já que é a noção de vida nova, de renascimento, que nos interessa na Páscoa", diz Simone Alcântara A. A. Faria, assessora de formação cristã do Ensino Fundamental I do Colégio São Luís, em São Paulo. Simone explica que as famílias - muitas delas judias, evangélicas ou de outras religiões - matriculam seus filhos no colégio já plenamente conscientes de sua postura religiosa. Sendo assim, a formação cristã abrange todos os alunos. Antes da Páscoa, os pequenos aprendem sobre o sentido da Quaresma e da Ressurreição. Para o Ensino Médio, há até mesmo uma proposta extracurricular: os alunos poderão participar de um retiro durante o feriado da Páscoa. "Organizamos as viagens, nas quais os alunos se aprofundarão nessa experiência cristã", conta o professor Renan Nascimento, que também acompanha um trabalho voluntário realizado por alunos de 14 a 17 anos no Hospital das Clínicas de São Paulo (HC). Na quarta-feira anterior à Páscoa, eles promoverão uma festinha para os pacientes da Ortopedia.

 

amigos do educar

 


lição de casa

Crianças que fazem a lição de casa diariamente aprendem mais, têm notas melhores e se tornam mais seguras. Faça a sua parte!



depoimentos

Marina Silva, Martha Medeiros, Nelson Motta e outras personalidades brasileiras revelam o impacto de uma boa Educação no futuro



recomendamos

EDUCAÇÃO INFANTIL
Como contribuir com essa importante fase de formação da criança

ENSINO FUNDAMENTAL 1
Como acompanhar os primeiros passos da vida escolar de seu filho

ENSINO MÉDIO
Dicas para pais e alunos enfrentarem esta fase de novos desafios

mais lidos

ALFABETIZAÇÃO
11 dicas para ajudar na alfabetização de seu filho

TECNOLOGIA
52 sites que ensinam e divertem a criançada